Escolas apontam dificuldades

Escolas apontam dificuldades

Escolas apontam dificuldades para implementar a reestruturação do Ensino Médio na rede estadual

Principais problemas apontados foram a má formação dos professores e a rapidez como o projeto foi implementado

Pela manhã, professores e estudantes protestaram durante a reunião e contra a reforma Foto: Reprodução

Marcus Bruno OMarcusBruno

Em plenária realizada nesta quarta-feira pelo Conselho Estadual da Educação, 43 colégios fizeram vários questionamentos sobre a implementação do ensino politécnico, que é a reestruturação curricular do Ensino Médio para aproximar os estudantes do mercado de trabalho.

Após um ano de implementação, as escolas ainda encontram dificuldades. A alteração quer tornar o ensino mais prático, e menos teórico, com carga horária dedicada a projetos profissionalizantes. A conselheira Ceclília Farias, que preside a comissão de ensino médio, disse que as principais dificuldades apontadas foram a má formação dos professores e a rapidez como o projeto foi implementado.

"A implementação de uma nova proposta é sempre muito trabalhosa e exige uma formação bem significativa do professor e o professor da rede estadual não tem essa formação historicamente. Mas talvez a maior dificuldade sejam as condições das escolas, o próprio ambiente escolar" apontou a conselheira.

Durante a manhã, professores e estudantes protestaram durante a reunião e contra a reforma, defendendo uma maior autonomia das escolas para decidir o método de ensino. Mas, segundo Cecília Farias, foi aprovado hoje um parecer que garante essa autonomia, dentro da orientação da Secretaria de Educação. O documento será levado ao governo.

 

Veja aqui o Substitutivo

 

http://gaucha.clicrbs.com.br/rs/noticia-aberta/escolas-apontam-dificuldades-para-implementar-a-reestruturacao-do-ensino-medio-na-rede-estadual-9602.html?fb_comment_id=fbc_143288012548104_109813_143382502538655#f375dfbfdfb4042




ONLINE
10