Carta ao ministro da educação

Carta ao ministro da educação

 

Diário da política: carta aberta ao novo ministro da educação

Faço apenas dois pedidos

Alex Solnik    em  

Caro Renato Janine Ribeiro, ficamos muito contentes com sua nomeação para o ministério da Educação por ser a primeira vez em muitos anos em que uma pessoa do seu gabarito assume esse importante ministério.

Eu sei que as suas tarefas são inúmeras, complicadas e seu orçamento limitado. Por isso peço a sua atenção para apenas dois pontos: o ensino fundamental e os professores. A palavra “fundamental” tem que valer o seu significado. O primeiro ensino, aquele que as crianças recebem logo ao entrar na idade escolar e que é tão importante não pode ser administrado pelos municípios, muitos dos quais falidos, e sim pelo governo federal, que deve dispensar-lhe toda a atenção que hoje dedica ao ensino superior. Se o ensino fundamental continuar relegado ao segundo plano, o superior tende também a enfraquecer.

Poderão dizer que o ministério está duro, mas quando no comando há uma cabeça como a sua acredito que possam ser encontradas soluções, tais como acordos com grandes empresas privadas que certamente têm interesse em melhorar o nível dos jovens brasileiros.

Minha segunda demanda diz respeito aos professores. Sendo você um deles, deve saber muito melhor do que eu que o professor é a ferramenta mais importante do ensino. Eu só aprendi matemática quando tive um ótimo professor de Matemática, o Zé Maria, do cursinho Equipe. O resto são prédios com salas de aula, giz e lousa. A profissão de professor tem que ser valorizada, tem que ser atraente, para atrair boas cabeças. Em primeiro lugar vem o salário. Isto não só vai melhorar o desempenho dos professores atuais, que terão mais tempo para ensinar, como vai atrair novos candidatos em grande quantidade, de onde será mais fácil filtrar a qualidade.

Além do salário maior, o professor tem que ganhar novo status na nossa sociedade. Tem que ter desconto nas livrarias, nos cinemas, nos teatros, viajar de graça no ônibus, no metrô. O professor tem que se sentir tão importante quanto é a sua função: educar o futuro do país. 

Link curto: http://brasileiros.com.br/cJJYJ

http://brasileiros.com.br/2015/03/diario-da-politica-carta-aberta-ano-novo-ministro-da-educacao/




ONLINE
13