Estou pensando

Estou pensando

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Se pela Lei 11.738 (Lei do Piso) temos direito a Sete horas/atividades das  vinte horas semanais, por que aceitamos a imposição da cre de apenas  cinco? Estamos esperando que o governo regulamente?

Mas já está  regulamentada no país inteiro pela lei acima. O Supremo Tribunal Federal já respondeu ao Cpers afirmativamente, confirmando que 1/3 é igual a 7  horas/atividades! O que falta, então? Que cada um dos 79 mil professores gaúchos pare de trabalhar 15 horas/aula e  passe a cumprir 13 horas/aula da sua CH de 20 horas.

Basta comunicar  essa decisão à direção da(s) escola(s) e pronto.   

Com as duas horas a mais, estamos trabalhando semanalmente por 8.900 professores que o  governo deixou de nomear. Substituímos todos eles trabalhando 15 horas/aula semanais. Não queremos continuar  trabalhando cento e setenta e oito mil horas a mais sem horas extras e  sem receber o piso da lei acima, de R$ 1.567,00. Ou queremos? 

A  coordenadora da CRE pode até ser presa. Tu duvidas?

Leia o ofício do nosso 

jurídico: https://docs.google.com/file/d/0By1oXgkWGlf_aUJXWGtWVUhQRzA/edit?usp=sharing

 

Vamos analisar alguns trechos do Parecer 018/12 do Conselho de Educação Básica, do Conselho Nacional de Educação:

Como afirma o Parecer CNE/CEB nº 8/2004, formulado pelo então Conselheiro Carlos Roberto Jamil Cury, não há  qualquer problema que determinado sistema componha jornadas de trabalho  de professores com duração da hora-aula em 60, 50 ou 45 minutos, desde  que as escolas e a própria rede estejam organizadas para prestar aos  estudantes a totalidade da carga horária a qual eles fazem jus.

Assim,  poderá haver jornada de trabalho de 40 horas semanais, com aulas de 60 minutos; jornada de trabalho de 40 horas semanais, com aulas de 50  minutos; ou jornada de trabalho de 40 horas semanais, com aulas de 45  minutos de duração.

Logo, para cumprimento do disposto no § 4º do art. 2º da Lei nº 11.738/2008,  não se pode fazer uma grande operação matemática para multiplicar as  jornadas por minutos e depois distribuí-los por aulas, aumentando as  aulas das jornadas de trabalho, mas apenas e tão somente destacar das  jornadas previstas nas leis dos entes federados, 1/3 (um terço) de cada  carga horária.

Nesse sentido a lei não dá margem a outras interpretações.
 Dito de outra forma: independentemente do número de aulas que os alunos obterão durante um período de 40 horas semanais, a Lei nº 11.738/2008  se aplica a cada professor individualmente. Por exemplo, numa jornada de 40 horas semanais, o professor realizará 26,66 horas de atividades com  educandos e 13,33 horas de atividades extraclasse.  

O  importante é que todos saibam que a questão do direito dos estudantes,  aos quais a LDB assegura 800 (oitocentas) horas anuais lecionadas em 200 (duzentos) dias letivos, não se confunde com os direitos dos  professores naquilo que diz respeito às suas jornadas de trabalho. Aos estudantes, a escola ou o sistema de ensino deve assegurar o total de horas de aulas determinado pela LDB e, para tanto, devem prover a contratação ou redimensionamento das cargas horárias de  quantos profissionais sejam necessários para assegurar aos estudantes este direito. [...]

Ao professor, por outro lado, é garantida a contratação com base em um  determinado número de aulas, independentemente da duração de cada aula  para efeito do que assegura ao estudante a LDB. Portanto, cada professor deve cumprir um determinado total de aulas semanais, organizadas em: - atividades de interação com educandos; - atividades extraclasse.
[...] Assim, a hora-aula, compreendida do ponto de vista do direito dos  estudantes e a hora de trabalho, como base da jornada de trabalho do  professor, remetem a unidades e conceitos diferentes.
 De  acordo com a Lei nº 11.738/2008, portanto, ao professor deve ser  assegurada uma composição da jornada de trabalho que comporte, no  máximo, 2/3 (dois terços) de cada unidade que compõe essa jornada, ou  seja, cada hora de interação com os estudantes.

E, em decorrência, no  mínimo 1/3 (um terço) destas horas destinadas a atividades extraclasse.
Assim, em uma jornada de 40 horas semanais, independentemente da  unidade de tempo que as compõem para os estudantes (60 minutos, 50  minutos e 45 minutos) 26,66 destas serão destinadas à interação com  educandos e as demais 13,33 para atividades extraclasse.Importantíssimo que se ressalte que tudo o que aqui se disse sobre a jornada de  trabalho docente se aplica também aos professores que lecionam na  Educação Infantil, pois estes também são professores da Educação Básica  (que se inicia na Educação Infantil e se completa no Ensino Médio).

[...] As horas de atividade extraclasse são essenciais para que o trabalho do professor tenha a qualidade necessária e produza resultados benéficos para a aprendizagem dos estudantes.
Considerando-se ou não o disposto mais acima, estes momentos incluem o  trabalho que o professor realiza fora da escola, normalmente em sua  própria residência, incluindo leituras e atualização; pesquisas sobre  temas de sua disciplina e temas transversais; elaboração e correção de  provas e trabalhos e outras tarefas pedagógicas.O professor sempre  trabalhou, e muito, em sua própria residência.

A composição da jornada  de trabalho que considera e remunera este trabalho, reconhece um fato  concreto e, com a Lei nº 11.738/2008, melhora o tempo e as condições  para que este trabalho seja feito.  


PCEB18/12
 *Para quem quiser conferir o documento na íntegra no GoogleDocs:https://docs.google.com/file/d/0By1oXgkWGlf_ZHVldkNIazRuRVk/edit?usp=sharing

 

http://opiniaodoroteia.blogspot.com.br/




ONLINE
7