Tendências para formação docente

Tendências para formação docente

Reforma do ensino médio e tendências para formação e/ou carreira docente

Simone Sandri

Resumo

o presente artigo tem por objetivo relacionar o conteúdo da reforma do Ensino Médio com as projeções e tendências para a formação e carreira docente daqueles que atuarão nele durante a vigência dessa reformulação.

Para a realização do estudo, elencamos três pontos da reforma que apresentam possibilidades de impacto: o currículo, a concepção de formação humana e as formas de organização do Ensino Médio. A metodologia utilizada foi a análise de conteúdo da Lei nº 13.415, que altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) nº 9.394/96 e reforma o Ensino Médio.

O estudo teve como apoio teórico autores que pesquisam sobre Ensino Médio e formação de professores. No decorrer da análise, identificamos algumas marcas históricas do Ensino Médio, estabelecemos relações com a atual reforma, a fim de demonstrar que sua concepção e estrutura não são novas, e relacionamos as diferentes possibilidades de organização do Ensino Médio, a partir do conteúdo da Lei, com projeções para a formação e carreira docente.

Os resultados obtidos foram os seguintes:

  • a redução de disciplinas e de carga horária no currículo conterá demandas para a Educação Superior;

  • aumentará a oferta do Ensino Médio a distância (na forma de parcerias público-privadas); acarretará uma diminuição da oferta pública;

  • e o reconhecimento de experiências e práticas dos alunos como possibilidade formativa no Ensino Médio apresentará tendências de diminuir a contratação e a oferta de cursos de licenciaturas.

Palavras-chave

Reforma do Ensino Médio. Formação de professores. Carreira docente.

Texto completo:

PDF

Referências

ANFOPE (Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação). Carta de João Pessoa 2017. In: XXVIII Seminário de Política e Administração da Educação. Reunião dos Associados da ANFOPE. João Pessoa: [S. n.], 2017. Disponível em: . Acesso em: 1 nov. 2017.

ANFOPE [et.al]. MANIFESTAÇÃO das entidades educacionais sobre a política de formação de professores anunciada pelo MEC. [S.l.: s.n.], 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2017.

BRASIL. Lei 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) no 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.

CUNHA, L. A. Ensino médio: atalho para o passado. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 373-384, abr./jun. 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.

FERREIRA, E. B.; SILVA, M. R. Centralidade do ensino médio no contexto da nova “ordem e progresso”. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 287-291, abr./jun. 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.

FREITAS, H. C. L de. A nova política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1203-1230, out. 2007. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2017.

GRAMSCI, Antônio. Caderno 13 (1932-1934): Breves notas sobre a política de Maquiavel. In: Cadernos do Cárcere, vol. 3. 3a ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 12-109.

LIZZI, M. S. S. S; SANDRI, S. A relação entre educação profissional técnica e o “novo” ensino médio: retrocessos e tendências. In: Anais do III Seminário internacional “Desafios do trabalho e educação no século XXI: os 100 anos da Revolução Russa”. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2017, p. 865-875. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.

KUENZER, A. Z. Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 331-354, abr./jun. 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.

MANFREDI, S. M. Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MINISTÉRIO da Educação anuncia Política Nacional de Formação de Professores. Brasília: Mec, 2017. (53 min.), son., color. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017.

PACHECO, J. A.; MORAES, C. M. de; EVANGELISTA, O. Políticas educacionais nos anos 90: a formação de professores no Brasil e em Portugal. Educar, Curitiba, n. 18, p. 185-199. 2001. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2017.

POCHAMANN, M. Estado e capitalismo no Brasil: a inflexão atual no padrão das políticas públicas do ciclo político da nova república. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 309-330, abr./jun. 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.

SANDRI, S. A relação público-privado no contexto do ensino médio brasileiro: em disputa a formação dos jovens e a gestão da Escola Pública. 2016. 252 f. Tese (Doutorado) - Curso de Educação, Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

SILVA, M. R. Como fica o Ensino Médio com a reforma – vem aí o ensino médio “líquido”. Site do Observatório do Ensino Médio. 21 de março de 2017. Disponível em:

UMA Política para uma concepção de educação. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 2017. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2017.

 

http://e-revista.unioeste.br/index.php/temasematizes/article/view/18607?utm_source=Jornal+Pensar+a+Educa%C3%A7%C3%A3o+em+Pauta+-+Assinaturas&utm_campaign=842a96e02b-EMAIL_CAMPAIGN_2018_06_22_05_59_COPY_96&utm_medium=email&utm_term=0_09ac6f560e-842a96e02b-299653657 




ONLINE
10