Piratini quer aval

Piratini quer aval

Piratini quer aval para atrasar parcela da dívida

Governo finaliza ação judicial para impedir que a União penalize o Estado por suspensão de pagamentos

Piratini quer aval para atrasar parcela da dívida Adriana Franciosi/Agencia RBS
O Piratini vem retardando o pagamento da dívida com a UniãoFoto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

Como estratégia para amenizar a crise e reunir recursos com a finalidade de honrar o salário dos servidores, o Palácio Piratini finaliza a redação de medida judicial que tentará impedir a União de penalizar o Rio Grande do Sul em caso de suspensão do pagamento da dívida.

Pacote é insuficiente para resolver crise nas finanças

A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) deverá ingressar com a ação no Supremo Tribunal Federal (STF) até o próximo dia 10, data em que o governo federal poderia iniciar a aplicação de sanções pelo atraso no compromisso.

Após reuniões no STF, Sartori diz que não há motivo para intervenção federal no Estado
Grupo de trabalho anunciado por Sartori inicia atividades nesta quarta-feira

O Piratini vem retardando o pagamento da dívida com a União – cerca de R$ 280 milhões ao mês – desde abril. Utilizou o dinheiro para quitar os salários e, depois, passou o débito federal para o mês seguinte, antes de estourar o prazo para começar a sofrer as penalidades previstas em contrato.

Protesto no Interior e serviços parciais: o dia seguinte à paralisação do funcionalismo
Quem são os impactados pelo parcelamento de salários

Em julho, a situação se agravou. Os salários dos servidores foram parcelados em três vezes e, para cumprir o calendário de escalonamento, não haverá dinheiro para remeter ao governo federal. A consequência é que Brasília estará autorizada a aplicar duras sanções.

– Estudamos uma medida judicial que impediria a União de efetuar qualquer ato restritivo, seja bloqueio de repasses constitucionais ou sequestros de valores, em decorrência do não pagamento da parcela da dívida vencida em julho – explica Euzébio Fernando Ruschel, procurador-geral do Estado.

Se obtiver uma liminar, o Estado poderá suspender a quitação da dívida enquanto o despacho permanecer em vigor, por mais de uma parcela, concentrando o dinheiro para o pagamento do funcionalismo. Isso não evitaria a necessidade do parcelamento em julho – a parcela da dívida é de R$ 280 milhões, e faltaram R$ 360 milhões para os contracheques –, mas amenizaria o problema financeiro.

No passado, não houve intervenção

Um dos principais argumentos do Estado deverá ser a tese da “impossibilidade material”. Não há dinheiro para pagar tudo, e a decisão será por privilegiar os salários, de caráter alimentar. Essa teoria também é o trunfo da PGE no julgamento do recurso que tenta suspender efeitos de liminares de servidores que determinam o pagamento dos salários em dia. Se mantida a decisão a favor do funcionalismo, o Estado poderia sofrer intervenção pelo descumprimento de decisão do STF.

Apesar do texto constitucional, PGE, especialistas e até ministros declaram não acreditar em intervenção. Entre as justificativas, são citados precedentes de descumprimento de decisões judiciais de pagamento de precatórios em São Paulo e de parcelamento de salários no Rio Grande do Sul. Nos dois casos, não houve intervenção.

– Seria uma medida extrema. O julgamento no STF sempre foi favorável aos Estados – diz Ruschel.

Para o constitucionalista e ex-vice-governador João Gilberto Lucas Coelho, o STF está diante da possibilidade de inovar.

– Pouco adianta uma decisão judicial mandar pagar salário se não há dinheiro. Seria uma oportunidade histórica para o STF dizer que os salários são mais importantes do que a dívida – avalia.

Para o constitucionalista e ex-ministro da Justiça Miguel Reale Junior a intervenção somente se justificaria se houvesse dolo (deliberação de violar a lei) por parte do governo Sartori, hipótese que ele refuta:

– O STF pode sinalizar que a preferência deve ser dos salários.

Enquanto corre a discussão em Brasília, no Estado servidores voltaram às ruas para protestar. Depois de manifestações em Porto Alegre e Pelotas, diferentes categorias do funcionalismo fizeram ato em Santa Maria contra o parcelamento dos salários.






ONLINE
10