O papel da escola: Desafios e possibilidades

O papel da escola: Desafios e possibilidades

O papel da escola na sociedade contemporânea: Desafios e possibilidades

(Jaqueline de Andrade_ Graduada pela FCT/UNESP)


Antes de iniciar este texto sobre os desafios da escola na sociedade atual, farei uma breve definição sobre o que é educação. A LDB 9394/ 96 define a educação como processo formativo que são desenvolvidos na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, em movimentos sociais e organização da sociedade civil e também nas manifestações culturais.

Os autores Franco, Libâneo e Pimenta (2007, p.89) mostram que:

Educar é intervir na capacidade de ser e de agir das pessoas. Para isso, são providas as mediações culturais, isto é, as ferramentas simbólicas e materiais, mediante um processo de comunicação. É disso que trata a Pedagogia: da mediação de saberes e modos de agir. O papel da Pedagogia é promover mudanças qualitativas no desenvolvimento e na aprendizagem das pessoas, visando ajudá-las a se constituírem como sujeitos, a melhorar sua capacidade de ação e as competências para viver e agir na sociedade e na comunidade.

Ao falar de educação é possível destacar também sobre os cursos de formação de professores que no caso desse texto esta voltado ao curso de pedagogia.

A Pedagogia é pois o espaço dialético para a compreensão e a operacionalização das articulações entre a teoria e a prática educativa. Do mesmo modo que não basta à Pedagogia refletir ou teorizar sobre o ato pedagógico,também não é suficiente orientar ou, muito menos, prescrever ações práticas para a concretização das práticas educativas.(Franco, Libâneo e Pimenta ,2007, p.82).

Ainda citando esses autores é conveniente destacar que como afirmam Franco, Libâneo e Pimenta (2007, p.83).

No início dos anos 1990, e um pouco antes, o enfoque sobre a profissão de professor foi acentuado5 com amplo investimento em pesquisas, que demonstraram o caráter ideológico da concepção de “missionário” que marca a profissão docente e a importância de valorizar os professores em sua formação, autonomia e condições de trabalho, como meio para melhorar a qualidade da escolarização. A profissionalização passa a ser entendida como identificação de uma categoria profissional que ultrapassa a dimensão meramente corporativa e que situa o sentido social da intervenção do professor como uma forma de transformação da sociedade.

Ao longo de todo o curso de pedagogia a maioria das disciplinas que cursei enfatizaram a questão da teoria e a prática que são indissociáveis. A teoria ajuda o trabalho pedagógico do professor norteando sua ação, por isso pode-se destacar que através do conhecimento da teoria é possível elaborar uma prática educativa que se adeque a realidade escolar dos alunos. O papel da educação nessa perspectiva vai ao encontro à teoria marxista que visa à formação de um sujeito emancipado que seja crítico e capaz de transformar sua realidade.

Vemos atualmente que a questão da qualidade de ensino e o papel da escola vêm ganhando vastas discussões não apenas no meio educacional, mas na mídia e no campo eleitoral.

Em época de eleições pode-se notar visivelmente essa questão, pois é nesse período em que os políticos usam como meta de campanha a construção de novos centros educacionais, melhoria no salário de professores e por aí vai. Porém ao término da campanha eleitoral essas promessas são esquecidas e pouca coisa muda.

Para compreender as dificuldades enfrentadas pelos educadores e especialistas do campo educacional é necessário partir de uma contextualização histórica de acontecimentos que influenciaram as mudanças ocorridas no campo da educação. Essa contextualização histórica é fundamental para que possamos compreender e refletir sobre a atual conjuntura da escola pública brasileira.

Os jesuítas foram responsáveis pela criação das primeiras escolas. A educação jesuíta no Brasil se dedicou a pregação da fé católica e ao trabalho educativo, os jesuítas perceberam que não era possível converter os povos indígenas a fé católica sem que soubessem ler e escrever. Os jesuítas não se limitaram ao ensino das primeiras letras, além do curso elementar, eles mantinham os cursos de Ideologia e Ciências Sagradas de nível superior para a formação de sacerdotes e cursos de Filosofia e Letras considerados cursos secundários. É relevante destacar que no período jesuítico a educação era privilégio das elites, ela só passou a ser considerada como direito de todos com a promulgação da Constituição Federal de 1988. (LEITE; DI GIORGI, 2010).

Entretanto há autores que são contrários a inclusão da massa popular no ambiente escolar.

Beiseigel (2005) diz que a situação de crise da escola é conseqüência do aumento de um número de anos de escolaridade ao maior número de cidadãos. Entende-se com isso que a escola não está preparada para dar qualidade ao ensino sob essa circunstância

É inegável que, enquanto a rede de escolas veio se expandindo, ocorreu também, uma quebra nos padrões da adequação entre os conteúdos transmitidos pela escola e as expectativas e necessidades da clientela. (BEISEIGEL, 2005,p. 112-113).

O papel da escola é transmitir o conhecimento sistematizado, porém a sua função é para além desses conhecimentos transmitidos aos alunos, ou seja, a escola também tem a função de auxiliá-los a terem uma visão crítica e democrática, por meio da transmissão de valores e atitudes.

A escola tem um papel fundamental no exercício da formação do sujeito, pois a partir do momento que escola envolver o aluno nos conteúdos elaborados, mas atribuí-lo a sua realidade, estará formando sujeitos críticos e produtivos.

O interesse dos alunos por assuntos mais significativos leva a pensar também na mútua determinação entre métodos e conteúdos num ensino de qualidade. O que se acredita, e se deseja, é que conteúdos mais significativos e críticos acabem por requerer e favorecer a utilização de métodos mais dialógicos, que firmem educadores e educandos como sujeitos numa relação interpessoal de trocas de experiências. (PARO,2007, p.62).

O saber assegura ao indivíduo formação integral, no seu modo de pensar e agir em sociedade, e transformar a realidade a qual vivemos. Por isso a escola deve preparar o aluno na construção de um saber crítico para torná-los cidadãos em busca de objetivos e metas, e também prepará-los para os desafios de uma sociedade crítica e democrática.

A escola é um espaço público, em que há uma divergência de cultura e cada individuo com sua própria cultura. É pensar formas de estar promovendo uma articulação maior entre os profissionais da educação, pautada num repensar conjunto sobre a lógica da construção do conhecimento e sua aplicação na prática social. Sua finalidade é promover a socialização dos sujeitos, entretanto ela não é a única responsável por isso, mas como está presente na literatura, na atual conjuntura educacional parece que cabe somente a ela a difusão do conhecimento e a socialização entre os sujeitos.

Analisar a realidade particular de cada escola torna-se uma tarefa fundamental no processo de planejamento, pois "problemas" semelhantes não são necessariamente identificáveis, ou seja, o mesmo "problema" deve ser pensado de forma diferente, em distintas realidades escolares. No projeto político-pedagógico, a escola define coletivamente a sua política de currículo, de gestão e de relação com a comunidade, apresentando seus objetivos e metas. É o momento adequado para a escola assumir sua especificidade e seu eixo de atuação, assim como o seu caminho metodológico.

A escola existe, pois, para propiciar a aquisição dos instrumentos que possibilitam o acesso ao saber elaborado (ciência), bem como o próprio acesso aos rudimentos desse saber. As atividades da escola básica devem se organizar a partir dessa questão. Se chamarmos isso de currículo, poderemos então afirmar que é a partir do saber sistematizado que se estrutura o currículo da escola elementar. Ora, o saber sistematizado, a cultura erudita, é uma cultura letrada. Daí que a primeira exigência para o acesso a esse tipo de saber é aprender a ler e escrever. Além disso, é preciso também aprender a linguagem dos números, a linguagem da natureza e a linguagem da sociedade. ( Saviani,1994, p. 18)

Para o pedagogo, enquanto intelectual comprometido com a transformação social, pensar a escola concreta é ponto estratégico, pois a partir daí, inicia-se um novo movimento: o de buscar compreender o meio em que ela está inserida, seus desafios, seus anseios, suas contradições e seus limites.

É preciso analisar o mundo do aluno para, partir do conhecimento de sua realidade, ajudá-lo a encontrar meios para mudar correlação de forças com a sociedade que o explora. Para tanto, cabe ao Pedagogo viabilizar articulações no processo ensino e aprendizagem promovendo abertura no interior da escola para que professores alunos, pais de alunos, como um todo, possam estudar discutir e avaliar a qualidade dos conteúdos trabalhados, bem como o material didático, procedimentos de ensino, avaliação.

O papel da escola está conectado a qualidade de ensino, porém como afirmam OLIVEIRA e ARAÚJO “é muito difícil, mesmo entre especialistas, chegar-se a uma noção do que seja qualidade de ensino.” (OLIVEIRA; ARAÚJO, 2005, p.06).

Sobre a qualidade de ensino GADDOTTI assinala que:

Qualidade é a categoria central deste novo paradigma de educação sustentável, na visão das Nações Unidas. Mas ela não está separada da quantidade. Até agora, entre nós, só tivemos, de fato, uma educação de qualidade para poucos. Precisamos construir uma “nova qualidade”, como dizia Paulo Freire, que consiga acolher a todos e a todas.

(GADOTTI, 2009, P.01)

Essa questão de qualidade de ensino é debatida com intensidade pelos especialistas de educação e toda a sociedade. OLIVEIRA e ARAÚJO dizem que:

Nessa perspectiva, a tensão entre qualidade e quantidade (acesso) tem sido o condicionador último da qualidade possível, ou, de outra forma, a quantidade (de escola) determina a qualidade (de educação) que se queira. (OLIVEIRA; ARAÚJO, 2005, p.08).

A própria escola pública não se sente capaz de preparar os alunos para ingressarem no ensino superior, isso acontece por que a maioria dos alunos decorre de famílias humildes em que as condições financeiras não são suficientes para garantir uma boa qualidade de vida, por isso para muitos professores fazer com que os alunos sejam capazes de sair da escola e arranjar um emprego já é o bastante.

Vitor Paro (2007) assinala que se tem atribuído à escola outras funções além da transmissão de conteúdos, a escola também é responsável a ensinar os alunos a respeitar as regras de convivência, como por exemplo, o respeito para com o próximo.

Ainda segundo Paro “... a educação escolar das massas é vista da perspectiva tradicional e conservadora de mera passagem de conhecimentos.” (Paro, 2007, p.38).

Os avanços tecnológicos, a globalização entre outras mudanças que ocorrem no mundo contemporâneo influenciam de forma direta e indiretamente na função social da escola.

PROFESSOR UMA MÁQUINA DE ENSINAR?

Delors (2000) aponta como obrigação da educação o seu papel de transmitir de maneira maciça e eficaz os saberes e o saber-fazer evolutivos, porem esses saberes devem ser sistematizados, pois numa era de informação e constante mudanças à educação precisa superar desafios para oferecer aos indivíduos uma formação de qualidade.

Em relação à educação e especificamente a escola Delors (2000) define que o papel da educação é fornecer conhecimentos sistematizados que permitam a assimilação de conteúdos, porém o autor critica a posição da escola de fazer com que os alunos adquiram uma enorme bagagem de conhecimentos que muitas vezes não são adequadas.

Delors (2000) nos chama atenção para o fato de que o conhecimento é ilimitado e não é suficiente que o individuo adquire uma enorme gama de conhecimento de uma só vez e indefinidamente para usá-lo por toda a vida, pois como reza o dito popular “é vivendo e aprendendo”, isto é, a cada novo conhecimento que adquirimos somos capazes de nos adaptar a um mundo repleto de mudanças.

Conforme este autor a educação engloba quatro pilares essenciais que em algum momento da vida um deles poderá ser utilizado por cada individuo. São eles:

Aprender a conhecer: adquirir as ferramentas de compreensão;

Aprender e fazer: podendo agir sobre o meio em que esta inserido;

Aprender a viver juntos: refere-se a participação e cooperação com os demais em todas as atividades;

Aprender a ser: integra os demais pilares.

O autor mostra que dos quatro pilares essenciais da educação apenas o aprender a conhecer é valorizado, porém, com menos entusiasmo, já os dois últimos pilares na maior parte das vezes depende de circunstâncias aleatórias, quando não são considerados de alguma maneira, como um prolongamento dos dois primeiros. (Delors, 2000).

É preciso que a educação leve em consideração que os pilares apresentados por Delors (2000) é importante para a formação dos indivíduos, cada um desses pilares tem suas especificidades, entretanto todos devem ser valorizados.

Para aprender a conhecer não basta apenas adquirir conhecimentos vastos, é necessário também dominar conteúdos com a finalidade de adquirir habilidades para aprender a ensinar.

Há alguns professores que detém um repertório de conhecimento amplo, porém não apresentam domínio do conteúdo e consequentemente não tem habilidades para ensinar.

A formação cultural também proporciona o conhecimento. Para aprender a fazer é necessário saber aplicar os conhecimentos adquiridos usando-os em situações distintas.

Para aprender a viver com os outros é necessário respeitar a opinião dos outros, saber ouvir e saber lidar com as diversidades, porém Delors (2000) nos informa que aprender a viver juntos é uma tarefa difícil, porque é nítido perceber em nossa sociedade a alimentação de preconceitos desfavoráveis em relação àqueles que são considerados como “anormais”, pois não respeitam as regras sociais, ou não segue algum tipo de padrão “correto” que é estabelecido pela sociedade.

A nossa sociedade apresenta sérias dificuldades de aceitar e respeitar as diferenças e a educação também não sabe como e qual a melhor forma de resolver esse conflito social.

Para descobrir o outro é necessário descobrir a si mesmo. Neste sentido para aprender a ser professor é necessário aceitar a si mesmo e aos outros.

A aprendizagem da docência envolve dois processos são eles aprender a ensinar que se caracteriza pela diversidade de conhecimentos de métodos que permitem e facilitem o processo de aprendizagem dos alunos levando em consideração a realidade e o contexto vivenciado por eles.

Além disso, ensinar exige do professor a seleção de conteúdos que respeitem os conhecimentos prévios dos alunos e que pode ser aplicados em sala de aula.

Aprender a ser professor caracteriza-se pela variedade da função desse profissional na sociedade, que não se restringe apenas a docência, mas também engloba responsabilidades sociais e políticas. O professor tem como papel participar efetivamente na instituição escolar e na comunidade que se insere, respeitando normas e culturas próprias.

Aprender ensinar e ser professor são processos distintos, mas que se inter-relacionam.

Os processos de aprendizagem caracterizados por Delors (2000) e Reali e Reys (2009) se articulam pela maneira de como esses autores vêem a educação, pois ambos têm a consciência de que é necessário respeitar as diversidades que existem na escola levando em conta o contexto em que esta se insere. Ensinar e ser professor nos dias atuais se configura em um grande desafio, pois a profissão docente apesar de ser muito importante é também desvalorizada pela sociedade. Porém, essa desvalorização da educação e da profissão docente causa grandes consequências que afetam principalmente o mercado de trabalho que cada vez mais exige a qualificação profissional.

Como futura pedagoga compreendo que a docência não é vista com bons olhos não somente pela sociedade em geral, mas até mesmo os professores já atuantes apresentam suas decepções em relação a docência.

Há desafios a serem superados na educação sim, entretanto é necessário vence-los. Entretanto Franco, Libâneo e Pimenta, dão algumas sugestões para melhorar o ensino e o trabalho do professor.

A melhoria do ensino e do trabalho dos professores não depende somente da formação dos pedagogos-especialistas, mas estes podem proporcionar às escolas ajuda inestimável para pensar teoricamente e atuar quanto à definição de objetivos sociais e culturais para a escola, às capacidades a formar, às competências cognitivas e habilidades a desenvolver, aos formatos curriculares, às metodologias de ensino, às práticas de gestão, aos níveis esperados de desempenho escolar dos alunos. (FRANCO; LIBÂNEO E PIMENTA, 2007, p.89).

Reali e Reys (2009) dizem que aprender a ser professor é um processo continuo que acontece na medida em que passa o tempo de atuação na docência o professor desenvolve métodos eficazes que possibilita a aprendizagem de seus alunos. Isso ocorre por meio da convivência dialogada com outros professores, de cursos destinados a complementação de sua formação, além de estudos de teóricos que podem embasar a sua prática pedagógica.

De acordo com essas autoras é possível aprender a ser professor durante a graduação por meio do Estágio Supervisionado que nos permite aprender a ensinar conteúdos, planejar aulas, executar as aulas que planejamos,controlar disciplina, corrigir tarefas, avaliar e além de tudo isso é por meio do estagio que nos tornamos capazes de identificar qual o método mais eficaz que pode possibilitar o processo de aprendizagem dos alunos.

Para ser um bom professor é necessário antes de qualquer coisa gostar do que faz ensinar por prazer e não somente pelo salário ao final do mês. Para ser um bom profissional o sujeito tem que gostar do que faz e isso é o principal estimulo para obter sucesso na profissão.

A função do professor é ajudar o aluno a sentir prazer, para que este possa escolher sua profissão conforme a sua vontade sem frustração, ou seja, sem ser influenciado por outros. O salário de um bom profissional é uma consequência de fazer bem aquilo que gosta.

Para ensinar bem os alunos é necessário que o professor além de levar em conta os conhecimentos prévios de seus alunos é necessário que ele também utilize metodologias de ensino que sejam adequados e que considerem a realidade dos alunos.

É preciso também que o professor domine os conteúdos a serem ensinados permitindo que seus alunos desenvolvam competências e habilidades para que possam assimilar os conteúdos de forma satisfatória facilitando o processo de aprendizagem deles mesmos.

Assim como Delors (2000) e Reali e Reys (2009), a disciplina de Estágio Supervisionado e Prática de Ensino nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental II permite que o graduando reflita sobre o seu papel na sociedade.

Considerações Finais

Creio que ser professor é uma tarefa árdua, porém também creio que é possível superar os desafios e proporcionar uma educação de qualidade para os alunos. Entretanto, para superar tais desafios que existem na profissão docente é necessário oferecer aos futuros pedagogos e professores uma formação que corresponda com a realidade escolar atual.

Compreendo que esse é o papel do estágio supervisionado já que ele permite ao graduando conhecer o espaço em que este irá atuar futuramente, lhe mostrando os pontos negativos e positivos da profissão.

Um dos desafios que os graduandos se deparam na instituição escolar em que realizam o estágio é a resistência de alguns professores em aceitar o estagiário em sua sala de aula, pois eles acreditam que os estagiários estão ali para dar palpites em sua pratica pedagógica, porém precisamos enquanto estagiários: mostrar que o nosso papel dentro da sala de aula não é criticar sua pratica, mas sim é aprender a ser professores durante esse processo.

O nosso objetivo enquanto estagiários é mostrar para os professores que já atuam que o estagio supervisionado é um momento de troca de conhecimentos entre os alunos em processo de formação e os professores que já atuam na educação.

Para o professor auxiliar os alunos no processo de ensino e aprendizagem, além de sua grande bagagem teórica que ele adquirir ao longo de sua formação ou através da progressão continuada, ele precisa refletir também sobre como fazer para que seus alunos aprendam determinado conteúdo e qual metodologia utilizar para que isso ocorra de forma satisfatória.

O papel do professor é muito amplo e como futura professora dos anos iniciais ou da educação infantil às vezes me pergunto será que vou conseguir desempenhar meu papel, ao menos de forma razoável?

Compreendo que há muitos desafios que cercam a minha futura profissão e que precisam ser superados creio que só saberei se conseguir cumprir meu papel de transmissora de conhecimentos e valores quando estiver atuando em uma sala de aula.

Tenho em mente que apesar dos desafios de ser professor o gratificante é você sentir que vale a pena insistir naquilo que dizem que ainda é você conseguir alcançar seus objetivos e sentir alegria de ter uma missão cumprida.

Nós como professores e futuros professores devemos valorizar nossa profissão, pois se não existisse professor, muitas conquistas da humanidade não iria ter sentido, pode ser citado como exemplo, a conquista da escrita e outros elementos que são indispensáveis para a nossa sobrevivência.

De acordo com Chauí (1984), o papel do professor é cuidar de si dos outros, para isso ele deve aprender com os outros.

Referências bibliográficas.

BEISIEGEL, Celso de Rui. A qualidade do ensino na escola pública. Brasília: Líber Livro Editora Ltda., 2005, p.111-122.

DELORS, JACQUES. Os quatro pilares da educação. In: Educação: Um tesouro a descobrir. 4 ed. São Paulo: Cortez; Brasília.MEC/UNESCO, 2000, p. 89-101.

DI GIORGI, G. A. Cristiano; LEITE, F. U. Yoshie.A qualidade da escola pública na perspectiva democrática e popular. Série - Estudos – Periódicos do Mestrado em Educação da UCDB. Campo Grande- MS, n.30, p. 305-323, jul/dez.2010.

DIMENSTEIN, G. Bom professor é aquele que ajuda o aluno a ter prazer. Folha de São Paulo, São Paulo, 13 jan. 2002. Cotidiano, p.06.

CHAUÍ, Marilena de Souza. O que é ser educador hoje? Da arte à ciência: a morte do educador. In: BRANDÃO, Carlos Rodrigues (org.) O educador: Vida e Morte: Rio de Janeiro, Graal. 1984. p. 51-70.

FRANCO, Maria Amélia; LIBÂNEO, José Carlos; PIMENTA, Selma. Elementos para a reformulação de diretrizes curriculares para o curso de Pedagogia. Cadernos de Pesquisa, [online] v.37, n.130, p.63-97, jan/abr. 2007.

GADOTTI, Moacir. A Qualidade na Educação. VI Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância. Nov. de 2009. p. 01-15. Disponível em: http://www.paulofreire.org/pub/Crpf/CrpfAcervo000158/Legado_Artigos_Qualidade_Educacao_Moacir_Gadotti.pdf. Acesso em:Setembro de 2011

OLIVEIRA, Romualdo P.; ARAÚJO, Gilda C. Qualidade do ensino: uma nova dimensão da luta pelo direito à educação. Revista Brasileira de Educação, jan/fev/mar, 2005, N.28, p. 5-24.

PARO, Vitor. O papel da escola. In: PARO, V. Qualidade do ensino: a contribuição dos pais. 3.reimpr. São Paulo: Xamã. 2007, p. 51-64.

REALI, ALINE M. De M. R.; REYS, CLAÚDIA R. Ensinar e ser professor: processos independentes ou inter-relacionados. In:______. Reflexões sobre o fazer docente: São Carlos: EDUFSCar, 2009, p. 13-20.

SAVIANI, Dermeval. Sobre a natureza e especificidade da educação. In: SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. São Paulo: Autores Associados, 1994, pp.15-28.


Leia mais em: http://www.webartigos.com/artigos/o-papel-da-escola-na-sociedade-contemporanea-desafios-e-possibilidades/119040/#ixzz2ur5aB6Tl




ONLINE
1