O mosquito municipal e o piso federal

O mosquito municipal e o piso federal

O mosquito municipal e o piso federal

Euler Conrado


Dois figurões do país de Minas resolveram convocar uma entrevista coletiva para dar explicações sobre a realidade atual, de Minas e do Brasil. Imediatamente, um grande número de repórteres se apresentou, incluindo um representante do Blog do Euler. O serviço de imprensa dos figurões foi taxativo: só entram dois repórteres, um de Minas e outro internacional. Os demais, estão dispensados, incluindo o representante do Blog. Mas, discretamente conseguimos colocar um grampo na orelha do Repórter de Minas, e eis o resultado da entrevista:


- Figurão 1: Bom dia, repórteres, estamos à disposição!

- Figurão 2: (chamou um assessor e cochichou: pede para ser breve porque tenho um compromisso daqui a pouco num barzinho de Ipanema, à beira da praia)


- Repórter de Minas: quero iniciar a entrevista parabenizando o governo de Minas pelo empenho em resolver os problemas do nosso país. Nós, que trabalhamos diariamente cobrindo a realidade de Minas, podemos testemunhar o quanto Minas vem crescendo e se tornando modelo para os demais países...


- Repórter Internacional (já irritado): o colega é assessor do governo ou repórter? Poderia fazer a pergunta ou deixar para mim...


- Repórter de Minas: Da licença, que estou concluindo. Como ia dizendo, Minas melhorou muito, mas, gostaria de saber quais são os planos do governo para o próximo biênio.


- Figurão 1: Depois de construirmos a Cidade Inadministrável número 1, estamos com plano de construir a Cidade Inadministrável número 2. A primeira foi no vetor Norte; a segunda será no vetor Sul. Isso resolverá definitivamente o problema de mobilidade que ora atormenta uma parcela da população.


- Figurão 2: Bom, os meus planos são modestos. Quero a presidência da República do Brasil, assim dividiremos o poder: eu mando no Brasil e ele manda aqui, na minha Minas. Quero exportar para o Brasil a nossa feliz experiência do choque de indi, opa, quero dizer, choque de gestão.


- Repórter internacional: Ouvi dizer que as coisas aqui não estão tão bem quanto parece. Os professores reclamam do piso que não foi pago, os cidadãos estão atacados pela dengue, a segurança não vai muito bem...


- Repórter de Minas: o sr. poderia dizer qual a fonte dessas críticas, pois nada disso consta aqui da minha pauta.


- Figurão 1: eu posso responder, caro repórter internacional. Primeiro, Minas paga até mais do que o piso salarial aos professores... (Neste instante o figurão 2, irritado, tomou o microfone das mãos do Figurão 1).


- Figurão 2: E é bom esclarecer que o piso é federal, não é do estado de Minas. Logo, quem tinha obrigação de pagar o piso é a presidenta. O nosso governo, quando paga até mais do que o piso, tá fazendo bonito, dando bom exemplo.


- Repórter Internacional: mas, senhores, eu li no Blog do Euler que os senhores deram uma espécie de calote nos educadores, não só não pagando o piso, como destruindo a carreira deles e implantando um tal de subsídio...


- Figurão 1: o senhor está mal informado, o que é compreensível já que o senhor não é de Minas. E foi buscar logo como fonte um blog que ninguém nem conhece. Pergunte a seu colega Repórter de Minas que ele dará todas os esclarecimentos.


- Repórter de Minas: De fato, sou testemunha do empenho do governo em tudo fazer pelos professores. Infelizmente, existem limites no orçamento. Se ele pagar um salário muito alto para os professores o estado quebra.


- Repórter Internacional: Mas pagar bem a vocês, repórteres locais, não quebra o estado de Minas não, né?...

Neste instante o telefone do Figurão 2 toca: Trrrrrrrrrrrr!

- Figurão 2: Só um instantinho pessoal, estou atendendo a uma ligação internacional.

   Do outro lado da linha: "Meu presidente, as biritas já estão na mesa, estão esquentando, quando você vem?". O "presidente" respondeu: segura as pontas aí, mano, que estou no meio de uma Coletiva chatíssima. Vou mandar meu assessor preparar meu jatinho para daqui a pouco. Me aguardem que tô chegando. Não bebam tudo, não.

- Figurão 1: Sobre o piso eu queria explicar que este já é um assunto superado. Pagamos mais do que o piso e pronto. É o que está na propaganda e aqui em Minas é assim: tudo o que aparece na propaganda oficial é lei, tem que ser tratado enquanto verdade inquestionável. É assim que Minas avança.


- Repórter de Minas: sou testemunha de que em Minas as coisas funcionam bem, dessa forma. A gente se orienta pela propaganda e no final ficamos todos muito felizes.


- Repórter Internacional: Mas, como assim, está tudo bem? Corre a notícia que a dengue está se espalhando, virou epidemia no país...


- Figurão 1: É outro tema sobre o qual o senhor está mal informado. O mosquito da dengue é proveniente dos municípios, não de Minas. Não temos nada a ver com este mosquitinho chato, que fica incomodando as pessoas. Ele é municipal, e o senhor tem que fazer como o Repórter de Minas, ou seja, dirigir a cobrança para os prefeitos dos municípios atingidos. Aliás, é  oportuno explicar que Minas, nos últimos dois anos, tornou-se modelo e referência no combate à dengue. Houve uma redução de 75% nos casos de pessoas atingidas pela dengue...


- Repórter Internacional: Como assim, redução nos casos? Toda a imprensa está noticiando o crescimento recorde nos casos de dengue este ano!


- Repórter de Minas: Deixa eu explicar porque o senhor é de fora e tem dificuldade em entender o que se passa aqui. Como o Figurão 1 explicou, a dengue acontece nos municípios, por culpa dos prefeitos e dos cidadãos destes municípios. O governo de Minas nada tem a ver com isso. Todos os mosquitos apreendidos foram interrogados e revelaram procedência municipal. Querer culpar o governo de Minas por um mosquito que é municipal é o fim da picada.


- Figurão 2: só para finalizar a minha participação, porque estou atrasado para um outro compromisso seríssimo, quero dizer que, pelo que vi hoje na propaganda do governo, Minas avança sem dengue e com a melhor Educação do planeta. Por isso queremos implantar este mesmo modelo no Brasil, pois o povo não aguenta mais viver sem mim na presidência. Então, se me dão licença vou me retirar e o colega aqui continuará a entrevista. (Neste instante o Figurão 2 se retira do local, não sem antes lascar um demorado abraço no Repórter de Minas, cochichando no ouvido dele: "Êta entrevista chata, esta. Passa lá no meu gabinete depois pra gente conversar e tomá uma").


- Repórter Internacional: senhor Figurão 1, quais são os planos de governo para a Educação nos próximos anos?


- Figurão 1: como o senhor deve ter se informado, Minas é modelo em matéria de Educação básica. Somos a melhor nota do Ideb, do Simave, do Proeb e do Pro-OTAN. Nos anos anteriores, inovamos com a implantação do PIP e do PEP. Nos próximos três anos vamos implantar o POP, o PUP e o PAP, formando assim um sistema integrado de ensino, o PaPePiPoPu, tanto presencial, quanto à distância.


- Repórter Internacional: mas, senhor Figurão 1, o pessoal da Educação está reclamando que nada vai bem na Educação: não se cumpre a lei do piso, a carreira deles teria sido destruída, o terço de tempo extraclasse se tornou uma punição aos professores, os inspetores e diretores de escolas e supervisores são usados para punir, perseguir e pressionar os educadores, provocando afastamentos por doenças, sobretudo mentais; as condições de trabalho não são as melhores...


- Repórter de Minas: o senhor deve estar lendo muito o blog do Euler, ou o da Marly Gribel, ou de outros professores que só sabem criticar o governo de Minas. Mas a realidade é bem diferente. Sou testemunha do esforço que o governo tem feito para consertar a Casa...


- Figurão 1: de fato, sr. repórter internacional, o sr precisa ler mais a imprensa de Minas para se informar melhor. A propaganda é clara: Minas é exemplo para o planeta em matéria de Educação básica, e também em outras áreas, como saúde, segurança, saneamento. Minas não para de avançar. E agora, se os senhores me dão licença, vou pegar meu helicóptero, pois tenho que discutir com uma grande equipe o plano da Cidade Inadminstrável número dois. Obrigado e até outra oportunidade.


E assim terminou mais esta curiosa entrevista coletiva realizada por dois dos mais importantes figurões do país Minas. Ahhhh, lek, lek, lek...

Um forte abraço a todos e força na luta! Até a nossa vitória!


http://blogdoeulerconrado.blogspot.com.br/2013/04/o-mosquito-municipal-e-o-piso-federal.html




ONLINE
11