Negligência educacional

Negligência educacional

Negligência educacional custa caro ao Brasil

"A falta de Educação de qualidade e abrangente na mão de obra brasileira tem efeito negativo nos níveis médios de produtividade", afirma Otaviano Canuto

Fonte: Folha de S.Paulo (SP) 24 de novembro de 2014


A elevação generalizada de níveis educacionais da população de um país é necessária para seu crescimento econômico sustentado e inclusivo. Não há um só caso em que parcela ampla da população de um país tenha ascendido a níveis altos de renda per capita sem tal evolução.

Tão óbvia quanto essa assertiva possa soar, a verdade é que o Brasil demorou para dar-lhe a devida prioridade. Essa é uma das razões pelas quais o país se mantém aprisionado em níveis médios de renda per capita, com desempenho medíocre em termos absolutos desde os anos 80 e sem reduzir significativamente a distância em relação às economias avançadas.

Outros países, após transformações estruturais similares à brasileira, com a população migrando de ocupações de baixo valor produtivo no campo para atividades modernas nas aglomerações urbanas, continuaram de maneira socialmente abrangente seu percurso para cima na escala da renda. A melhoria educacional ampla foi um aspecto comum a todos eles.


*OTAVIANO CANUTO é Conselheiro Sênior e ex-Vice Presidente do Banco Mundial. Escreve aqui em caráter pessoal
 

Acesso à integra
 

O Grupo Folha não autoriza a publicação na íntegra do conteúdo produzido pelo jornal Folha de S.Paulo




ONLINE
21