Morreu.

Morreu.

Morreu.

Morreu a preta da maré,
a negra fugida da senzala
que foi sentar com "os dotô" na sala
e falar de igual pra igual com "os homi".
A negra que burlou a fome de saber,
que fez crescer dentro dela, o conhecimento.
Aquela, que por um momento de humanidade,
sonhou com a justiça, lutou por liberdade
e ousou ir mais alto,
do que permitia sua cor.
"Mas preta sabida, não pode!
Muito menos pobre! Não tem valor."
Diziam as más línguas na multidão.
E ela ousou tirar seus pés do chão.
Morreu.
Morreu a "preta sem noção", 
que falava a verdade na cara do patrão,
que carregava a coragem, como bagagem,
no coração.
O tiro foi certo,
acertou com maldade,
ecoando seco no centro da cidade. 

Anielli - Poeta de Volta Redonda / RJ

( retirado do face)

 

 

 

A imagem pode conter: texto

 "Morre um monte de gente todo dia e ninguém faz esse estardalhaço." Mas ela fazia. Todos os dias. E morreu por isso! 

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

 

 




ONLINE
13