Lênin e a atualidade de Esquerdismo

Lênin e a atualidade de Esquerdismo


Lênin e a atualidade de Esquerdismo, doença
infantil do comunismo
Juliano Medeiros  

Lênin, Vladimir Illitch Ulianov (1870 - 1924), aplicou e desenvolveu criadoramente o método de Marx à realidade russa de sua época

Lênin, Vladimir Illitch Ulianov (1870 – 1924), aplicou e desenvolveu criadoramente o método de Marx à realidade russa de sua época

Em 2010 Esquerdismo, doença infantil do comunismo, de Lênin, completou noventa anos sem grandes comemorações. Escrito entre abril e maio de 1920 e publicado pela primeira vez como panfleto em junho do mesmo ano, o texto se tornou um clássico do pensamento marxista e segue alimentando controvérsias até os dias de hoje.

A obra tem como problema central a mediação entre os objetivos estratégicos e a ação política cotidiana, ou como se convencionou dizer na esquerda, entre a estratégia e a tática. As polêmicas envolvendo o tema remontam às jornadas revolucionárias de 1830-1848 e ao surgimento das primeiras correntes libertárias: o socialismo e o anarquismo. Do enfrentamento entre essas posições nasceram as célebres críticas de Marx à filosofia de Pierre Proudhon, bem como seus embates com o revolucionário russo Mikhail Bakunin, já no interior da I Internacional . Os principais temas contidos em Esquerdismo, doença infantil do comunismo partem exatamente da crítica à aproximação entre determinados setores socialistas e as posições anarquistas, e vão abordar questões como a relação dos revolucionários com o parlamento burguês, as possíveis formas de organização política e os caminhos para a tomada do poder.

Polêmicas que seguem a história do movimento operário desde o seu nascimento.

Comecemos por lembrar que, com a revolução na Rússia em 1917, o socialismo conquistara a hegemonia do pensamento crítico nas décadas seguintes, superando definitivamente o mito da invulnerabilidade do capitalismo. Ao mesmo tempo, a derrubada do czar e a vitória de operários e camponeses famintos, num país de capitalismo atrasado e de estrutura agrária feudal, colocou aos socialistas, pela primeira vez, o complexo desafio do exercício do poder. Uma vez vitoriosos, os bolcheviques se viram diante de um país arruinado economicamente e socialmente dilacerado pela guerra. A tarefa, portanto, era grandiosa: enfrentar não apenas a reação dos exércitos imperialistas, que desataram um sangrento conflito militar contra a revolução, mas também a oposição de grupos libertários, anarquistas e mesmo comunistas, dentro e fora da Rússia.

É nesse contexto que Esquerdismo, doença infantil do comunismo é escrito. O texto surge apenas três anos após a publicação de O Estado e a Revolução , onde Lênin retoma a polêmica teoria da Ditadura do Proletariado de Marx. Diante dos ataques sofridos pela revolução, ele está convencido da importância da ditadura de classe dos operários e camponeses – liderada pelos primeiros – como único meio de preservar a revolução. Por isso, afirmará com veemência:
“A ditadura do proletariado é a guerra mais severa e implacável da nova classe contra um inimigo mais poderoso, a burguesia, cuja resistência está decuplicada, em virtude de sua derrota (mesmo que em apenas um país), e cuja potência consiste não só na força do capital internacional, na força e na solidez das relações internacionais da burguesia, como também na força do costume” (p.13, Cap. II).

Ele defende ainda, recorrendo ao espírito de unidade dos trabalhadores, que “a vitória sobre a burguesia torna-se impossível sem uma guerra prolongada, tenaz, desesperada, mortal: uma guerra que exige serenidade, disciplina, firmeza, inflexibilidade e uma vontade única” (Idem).

Após a defesa contundente da Ditadura do Proletariado como instrumento para vencer a guerra contra a burguesia – teoria que seria questionada por inúmeros grupos socialistas na Europa Ocidental – Lênin gira suas baterias ao longo de Esquerdismo, doença infantil do comunismo para o que descreve como “revolucionarismo pequeno-burguês”. Sobre este setor, afirma:

“Pouco se sabe, no estrangeiro, que o bolchevismo cresceu, formou-se e temperou-se, durante muitos anos, na luta contra o revolucionarismo pequeno-burguês, parecido com o anarquismo, ou que adquiriu dele alguma coisa, afastando-se, em tudo que é essencial, das condições e exigências de uma consequente luta de classes do proletariado” (p. 24, Cap. IV).

Em 1920, a guerra civil contra os exércitos “brancos” chegara ao fim e o regime encontrava-se diante de um desafio: erguer uma nova sociedade a partir de um país em ruínas, acomodando tradições nem sempre compatíveis com o projeto político que conquistara a hegemonia desde a derrubada do regime. É nesse complexo cenário que Lênin faz de Esquerdismo, doença infantil do comunismo uma tentativa de responder aos ataques desferidos por variados agrupamentos às características que a revolução aos poucos assumia, ou seja, ataques à teoria da Ditadura do Proletariado.

O esquerdismo e a revolução bolchevique

Esquerdismo, doença infantil do comunismo pode ser dividido em dois blocos. Dos capítulos I a IV Lênin dedica-se a uma retrospectiva da história do bolchevismo, desde seu surgimento com a cisão do Partido Operário Social-Democrata Russo , em 1903, até a tomada do poder na revolução de outubro de 1917. Nessa retrospectiva, recorda os principais inimigos dos bolcheviques no seio do movimento operário e destaca os desvios esquerdistas no interior de seu próprio partido. Dos capítulos V a IX, Lênin responde algumas das principais controvérsias então presentes no movimento revolucionário internacional: participação nos sindicatos tradicionais, disputa de eleições burguesas, caráter da revolução bolchevique, dentre outras. Estas polêmicas envolviam principalmente grupos dissidentes da Itália, França, Alemanha, Holanda e Inglaterra. Assim, como vimos anteriormente, Esquerdismo, doença infantil do comunismo é também uma resposta endereçada aos comunistas da Europa Ocidental, descontentes com os rumos da revolução na Rússia, acusada por eles de promover uma “ditadura dos chefes” ao invés da “verdadeira ditadura das massas”  . Este, aliás, é um tema para o qual Lênin dará bastante atenção. Ele reconhece que no fim da I Guerra Mundial, anos antes, “manifestou-se em todos os países com singular vigor e evidência o divórcio entre os chefes e a massa”. A causa fundamental deste fenômeno, segundo Lênin, foi descrito muitas vezes por Marx e Engels que, utilizando o exemplo da Inglaterra, descreveram o surgimento de uma “aristocracia operária”, produto da situação monopolista do capitalismo inglês, que cooptava com grande habilidade esses chefes para o campo da burguesia.

Lênin, porém, inicia o texto apresentando outra tese polêmica que seria atacada por muitos de seus oponentes: segundo ele, “alguns aspectos fundamentais de nossa revolução [bolchevique] não tem apenas significação local, particularmente nacional, russa, mas revestem-se de significação internacional” (p. 9, Cap. I). Ele se referia a uma suposta “(…) transcendência mundial ou à inevitabilidade histórica de que se repita em escala universal” (idem). Lênin será acusado de fazer da experiência russa um modelo a ser seguido, independente das condições históricas de cada país. Contra qualquer determinismo, no entanto, ele mesmo destaca alguns parágrafos adiante que “naturalmente, seria um erro exagerar o alcance dessa verdade, aplicando-a a outros aspectos de nossa revolução além de alguns fundamentais” (idem). Como não poderia deixar de ser, é tomando por base a experiência da Revolução Russa que Lênin buscará analisar a relação entre os comunistas e as diversas correntes do esquerdismo europeu. Por isso ele defenderá a ideia da existência de uma dimensão internacional da Revolução Russa, pois muitas das questões então presentes no movimento comunista internacional já haviam sido enfrentadas, anos antes, no seio do movimento operário russo. Mesmo assim, a tentativa de Lênin em buscar similaridades que pudessem explicar o fenômeno do esquerdismo desde uma perspectiva universal mostrou-se limitada. Isso porque havia muitas diferenças entre as diversas expressões de esquerdismo. Pouco havia em comum, por exemplo, entre o abstencionismo de Amadeo Bordiga, na Itália, e o Comunismo de Conselhos, existente na própria Rússia. Mesmo assim, Lênin buscará ao longo do texto responder aos principais ataques das correntes libertárias, independentemente das diferenças entre elas, comparando essas investidas àquelas sofrida pelos bolcheviques no próprio movimento operário russo.

Ele começa relacionando as posições esquerdistas mais representativas no movimento operário russo no início do século XX ao surgimento do Partido Socialista Revolucionário (1901) . Além de aspectos sociais e históricos gerais, Lênin destaca alguns traços comuns a este setor, dentre os quais, a negação das teses marxistas e a utilização do terror seletivo, através de atentados e ações individualizadas, característica dos grupos populistas (narodniks) presentes na Rússia desde o século anterior. Segundo ele, a utilização do terror individual e dos atentados seletivos, rejeitados categoricamente pelos bolcheviques, era um sinal particular de seu “revolucionarismo” ou de seu “esquerdismo”. Ressalva, contudo, que os bolcheviques condenavam “o terror individual, mas não o terror da grande revolução francesa ou, de modo geral, o terror de um partido revolucionário vitorioso, assediado pela burguesia do mundo inteiro” (p. 26, idem). As divergências, nesse caso, estavam relacionadas à escala e à legitimidade da violência empregada.

Em seguida, chama a atenção para o fato de que “graças ao êxodo promovido pelo czarismo a Rússia contava já no século XIX com todas as correntes do movimento revolucionário existentes na época” (p. 14, Cap. II). Além disso, atribui a prematura presença de diferentes correntes de pensamento à imprensa dos emigrados que funcionava desde o exterior e exercia profunda influência no movimento operário da Rússia. Lênin assinala, ainda, que já na revolução de 1905, estavam amadurecidas as três grandes correntes que disputariam os rumos da revolução iniciada em fevereiro de 1917: a burguesia liberal, a pequena-burguesia democrática – representada pelos social-democratas e social-revolucionários – e o proletariado revolucionário, “agindo abertamente, testando na ação das massas todas as concepções de programa e tática (p. 17, Cap. III)”. Com o nascimento dos sovietes, a transformação da greve econômica em greve política, e desta em insurreição, e a consolidação do papel de vanguarda dos operários, Lênin afirmará, deslumbrado, que neste período cada mês correspondia a um ano de aprendizado em termos de educação política das massas.

Após a derrota nas jornadas de 1905, porém, abateu-se um período descrito por Lênin como de “desânimo, desmoralização, dispersão e deserção” (idem). Algo parecido com o que aconteceu após o refluxo da revolução na Europa no início dos anos 1920. Apenas a partir de 1912, com o massacre dos operários de Lena , o movimento operário volta a dar sinais de força. A partir daí o ascenso é rápido, acelerado, sobretudo, pela guerra imperialista que tem início em 1914. Os bolcheviques voltam a disputar a liderança do movimento operário, mesmo com suas principais lideranças no exílio.

Bolcheviques e esquerdismo

Mas Lênin não se resume a responder ou a caracterizar as facções “esquerdistas” que criticavam a revolução bolchevique dentro ou fora da Rússia. Para dar consequência à sua ideia de que a Revolução Bolchevique reunia características “universais”, ele analisa com particular atenção a luta contra o esquerdismo existente no interior do próprio partido bolchevique. Em 1908, por exemplo, o partido enfrentaria sua primeira depuração. Após a bem sucedida campanha pela abstenção nas eleições à Duma em 1905, a política de boicote ao parlamento perde força entre os trabalhadores e parte da direção bolchevique – incluindo Lênin – passa a defender a participação no processo eleitoral. O partido realizaria, então, uma mudança importante em sua tática diante das eleições, sendo atacado pelos setores mais radicalizados e enfrentando uma profunda polêmica interna.

Naquele episódio, o setor denominado por Lênin como “bolcheviques de esquerda” foi expulso do partido em virtude das divergências. Os esquerdistas apoiavam-se, principalmente, na experiência do boicote às eleições parlamentares de 1905, quando o czar anunciou a convocação de um parlamento consultivo. Como lembra Lênin, “contra todos os partidos da oposição e contra os mencheviques, [os bolcheviques] declararam o boicote a esse parlamento, que foi liquidado, com efeito, pela revolução de outubro de 1905”. Ele afirma que:

“Naquela ocasião, o boicote foi justo, não porque seja certo abster-se, de modo geral, de participar nos parlamentos reacionários, mas porque foi levada em conta, acertadamente, a situação objetiva, que levava à rápida transformação das greves de massas em greve política e, sucessivamente, em greve revolucionária e em insurreição” (p. 29, Cap. IV).

Assim, Lênin assinala a importância do boicote, como experiência que “enriqueceu o proletariado (…) mostrando que, na combinação das formas de luta legais e ilegais, parlamentares e extraparlamentares, é, às vezes, conveniente e até obrigatório saber renunciar às formas parlamentares” (idem). Porém, condenará veementemente a transposição mecânica dessa experiência a outras condições, assinalando que os bolcheviques não teriam podido conservar, muito menos consolidar, desenvolver e fortalecer o núcleo sólido do partido revolucionário durante os anos 1908-1914, se não houvessem defendido a combinação obrigatória das formas de luta legais e ilegais. Derrotados, os abstencionistas foram expulsos do partido, embora muitos deles viessem a compor as fileiras do futuro Partido Comunista da União Soviética, anos depois.

Já em 1918, as disputas envolveriam as negociações de paz com o imperialismo alemão, diante da qual se formaram duas facções: uma liderada por Lênin, que defendia a busca da paz em Brest-Litovsky, e outra representada por Karl Rádek e Nikolai Bukarin, que propunha fazer da permanência da Rússia na guerra imperialista um meio para levar a revolução socialista até a Alemanha. Esta segunda grande crise interna, porém, ocorreu sem a consumação de uma cisão. Para a fração que defendia a permanência da Rússia na guerra, a paz de Brest-Litovsky era um compromisso com os imperialistas alemães, “inaceitável por princípio e funesto para o partido do proletariado revolucionário” (p. 30, Cap. V). Como admite Lênin, “tratava-se, realmente, de um compromisso com os imperialistas: mas era precisamente um compromisso dessa espécie que era obrigatório naquelas circunstâncias” (idem). Logo a história daria razão a Lênin: com os acordos de paz, os bolcheviques puderam dedicar-se à guerra civil contra as forças pró-imperialistas dentro da Rússia e garantir a sobrevivência da revolução.

Principais polêmicas

Na segunda parte de sua obra, Lênin dedica-se a enfrentar três polêmicas principais: a participação dos revolucionários nos sindicatos reformistas; a posição dos partidos operários diante dos parlamentos burgueses e; a possibilidade de alianças eleitorais táticas com partidos reformistas ou social-democratas.

No capítulo VI, Lênin analisa, numa perspectiva histórica, a situação de atraso dos sindicatos por ele chamados de “amarelos” em relação às organizações de vanguarda, afirmando:

“Os sindicatos representaram um progresso gigantesco da classe operária nos primeiros tempos do desenvolvimento do capitalismo, visto que significavam a passagem da dispersão e da impotência dos operários aos rudimentos da união de classe. Quando começou a desenvolver-se a forma superior de união de classe dos proletários, o partido revolucionário do proletariado (que não será merecedor desse nome enquanto não souber ligar os líderes à classe e às massas num todo único e indissolúvel), os sindicatos começaram a manifestar inevitavelmente certos aspectos reacionários, certa estreiteza grupal, certa tendência para o apoliticismo, certo espírito de rotina, etc.” (p. 50, Cap. VI).

Aqui Lênin destaca as limitações dos sindicatos enquanto espaço de organização política por conta de sua “estreiteza grupal” e “tendência para o apoliticismo”, lição que parece ter sido esquecida nos dias de hoje por tendências que veem nos sindicatos o verdadeiro foco da revolução proletária. Porém, dialogando com a realidade do momento, Lênin admite que mesmo sob a ditadura do proletariado é inevitável a existência de certo “espírito reacionário” nos sindicatos. Combatendo a tese de abandono desses organismos, defende que:

“Não compreender esse fato significa não compreender absolutamente as condições fundamentais da transição do capitalismo ao socialismo. Temer esse ‘espírito reacionário’, tentar prescindir dele, ignorá-lo, é uma grande tolice, pois equivale a temer o papel de vanguarda do proletariado, que consiste em instruir, ilustrar, educar, atrair para uma vida nova as camadas e as massas mais atrasadas da classe operária e do campesinato”. (p. 52, idem)

Em outra passagem do texto, Lênin se dedica a combater as teses abstencionistas na Alemanha e Itália. Respondendo às propostas de “rejeitar de modo categórico todo retorno aos métodos parlamentares de luta”, afirmará:

“Como se pode dizer que o ‘parlamentarismo caducou politicamente’, se milhões de proletários ainda são não apenas partidários do parlamentarismo em geral, como, inclusive, francamente favoráveis a ele!? (…) O parlamentarismo “caducou historicamente”. Isso está certo do ponto de vista da propaganda. Mas ninguém ignora que daí à sua superação na prática há uma enorme distância.” (p. 59, Cap. VII)

A tese que defende a diferença entre “superação histórica” e “superação política” seria utilizada posteriormente em diferentes formulações e é uma inovação na obra de Lênin. Alguns grupos, por exemplo, a utilizarão na crítica à degeneração do Partido dos Trabalhadores. Segundo as formulações do Encontro Nacional de fundação da Ação Popular Socialista (2004), hoje uma tendência do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), o PT vivia um processo de superação histórica, isto é, de esgotamento enquanto  ferramenta estratégica para a construção do socialismo e cumprimento de seus objetivos históricos, mas não de superação política, haja vista sua força e importância junto aos trabalhadores.

Hoje as tendências abstencionistas, que chegaram a ter algum nível representatividade quando Esquerdismo, doença infantil do comunismo foi escrito, estão circunscritas praticamente apenas às organizações anarquistas ou a minúsculos grupos comunistas. Ao contrário, as teses que negam a participação em sindicatos “amarelos” tem ganhado terreno diante da completa subordinação destes às razões de Estado e à luta meramente econômica. A expressão mais recente desta posição manifestou-se na defesa por parte do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) da ruptura com a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, um típico “sindicato amarelo”.

Lênin, o “aliancista”

Mas se é comum lembrar a defesa intransigente de Lênin da participação nos sindicatos amarelos e sua crítica ao abstencionismo, sintetizado no célebre capítulo “Deve-se participar dos parlamentos burgueses?”, há outra polêmica desatada por ele e que tem sido propositalmente relegada a um segundo plano: a defesa das alianças táticas no plano eleitoral.

No capitulo IX, certamente o mais polêmico de toda a obra, Lênin trava um intenso combate contra os “comunistas de esquerda” da Inglaterra. Nesta passagem, ele não apenas questiona veementemente a opção abstencionista deste setor – que reconhece o soviete como único modelo possível de representação operária – como advoga em favor de uma aliança tática com o decrépito Partido Trabalhista como meio de enfrentar uma possível coalizão entre Conservadores e Liberais. Diz ele:

“(…) do fato da maioria dos operários na Inglaterra ainda seguir os Kerenski e os Scheidemann ingleses, de não ter passado ainda pela experiência de um governo desses homens – experiência que foi necessária tanto na Alemanha quanto na Rússia para que os operários se passassem em massa para o comunismo – se deduz de modo infalível que os comunistas devem participar do parlamentarismo, devem ajudar a massa operária de dentro do parlamento a ver na prática os efeitos do governo dos Henderson e dos Snowden, devem ajudar os Henderson e Snowden a derrotarem a coalizão de Lloyd George e Churchill.” (p.66, cap. VIII).

Lênin defende, portanto, que o melhor caminho para acelerar a desilusão das massas trabalhadoras com a social-democracia representada pelo Partido Trabalhista seria, precisamente, colaborar para que este partido chegasse ao poder. Para ele, é impossível promover uma alteração substantiva das opiniões da maioria da classe operária – então simpática ao trabalhismo – apenas pela propaganda. Seria necessária uma experiência política real que demonstrasse que apenas a transformação geral da ordem política e econômica poderia assegurar uma vida digna para os que vivem do trabalho. Em outras palavras, Lênin defende uma tática que invista, num primeiro momento, na vitória dos trabalhistas e, num segundo momento, na luta implacável contra o governo liderado por eles. Em outro ponto afirma que:

É certo que os Henderson, Clynes, McDonald e Snowden são reacionários irrecuperáveis. E também é certo que querem chegar ao poder (ainda que prefiram a coalizão com a burguesia), que querem governar de acordo com as rançosas normas burguesas e que, uma vez no poder, procederão inevitavelmente como os Scheidemann e os Noske. Tudo isso é verdade. Mas dai não se deduz, absolutamente, que apoiá-los equivale a trair a revolução, mas sim que, no interesse dela, os revolucionários da classe operária devem conceder a esses senhores certo apoio parlamentar. (idem)

Para viabilizar a aliança, Lênin propõe ainda termos para um acordo (independência política, divisão proporcional dos postos no parlamento, etc.) e deixa claro que, com isso, os comunistas sairiam ganhando de qualquer forma: caso os trabalhistas rejeitassem a coalizão, ficaria claro que para estes não importava a unidade dos operários; caso aceitassem, os comunistas estariam livres para incidir sobre as massas que então tinham no trabalhismo sua principal referência. Certamente, um arroubo de pragmatismo intolerável para as mais puras seitas esquerdistas hoje em dia.

Assim, Lênin não só defende o apoio ao trabalhismo, como combate firmemente as teses dos comunistas de esquerda que, resumidamente, defendiam que “O Partido Comunista deve conservar pura sua doutrina e imaculada sua independência (…); sua missão é marchar na vanguarda, sem deter-se ou desviar-se de seu caminho, avançar em linha reta em direção à Revolução Comunista”. Qualquer semelhança a determinadas organizações conhecidas entre nós, não é mera coincidência…

Na Alemanha, Lênin defenderá a aliança do recém-criado Partido Comunista da Alemanha com o Partido Social-Democrata Independente. Ao contrário da Inglaterra, onde o apoio aos trabalhistas justificava-se pela iminência de vitória da coalizão entre liberais e conservadores – o que seguramente dificultaria a ação dos comunistas – e pela necessidade de desmascarar diante das massas o caráter reacionário daqueles, na Alemanha a aliança será defendida por Lênin como forma de enfrentar o isolamento dos comunistas. Sua ala esquerda, denominada “Oposição de Princípio”, ao contrário, defendia a rejeição de qualquer compromisso ou aliança com qualquer partido e do retorno aos métodos parlamentares de luta “que já caducaram histórica e politicamente e toda política de manobra e conciliação”.

Assim, num tempo onde flexibilidade tática tem sido confundida com oportunismo, Esquerdismo, doença infantil do comunismo revela um Lênin consciente dos desafios históricos dos revolucionários. Para ele, era necessário encontrar meios de manter um estreito vínculo com as massas e desfazer junto a elas qualquer ilusão na social-democracia. Para ele:

“Proceder de outro modo significa dificultar a marcha da revolução, pois se não se produz uma modificação nas opiniões da maioria da classe operária, a revolução torna-se impossível; e essa modificação se consegue através da experiência política das massas e nunca apenas com a propaganda”. (p. 69, cap. VIII)

Ou seja, mais do que manter imaculada a imagem dos comunistas, mais que preservar a “honra” diante das demais vanguardas, Lênin coloca a luta de classes no comando de suas decisões táticas, contrariando toda forma de estreiteza e movendo-se unicamente pelos interesses da revolução.

O esquerdismo hoje

Não é o objetivo deste ensaio aprofundar-se na análise das manifestações esquerdistas contemporâneas, tarefa que demandaria um enorme esforço. Porém, parece importante demonstrar como posições que floresceram no combate às posições dos bolcheviques, ressurgem agora buscando afirmar-se precisamente como expressão do mais autêntico “bolchevismo”.

Quando pensamos hoje em esquerdismo, logo nos vem à mente minúsculas organizações caracterizadas pelo profundo isolamento político, sectarismo e incapacidade de dialogar minimamente com o real nível de consciência dos trabalhadores. No Brasil estes grupos são representados por pequenas seitas como o Partido da Causa Operária (PCO), a Liga Bolchevique Internacionalista (LBI), o Partido Operário Revolucionário (POR) ou a Liga Estratégia Revolucionária – Quarta Internacional (LER-QI), quase todas de origem trotskista, que vivem numa dinâmica de círculo conspiratório, absolutamente apartadas do cotidiano dos trabalhadores. Essa é a versão mais caricatural do esquerdismo, embora não seja a única nem a mais perigosa.

Há ao menos duas características comuns a estas e outras organizações: a primeira se expressa pela negação completa ou parcial da ação dos partidos operários na esfera eleitoral, a segunda coloca a autoconstrução do “autêntico” partido revolucionário acima das necessárias iniciativas de unidade entre as organizações socialistas. São manifestações da primeira vertente as organizações anarquistas em geral, algumas das minúsculas correntes citadas anteriormente, mas também um setor dos movimentos sociais organizado no campo e nas cidades. No segundo caso temos como principal exemplo o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) e algumas correntes minoritárias do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).

Analisando as posições do esquerdismo nas primeiras décadas do século passado, veremos parte delas no discurso de ambas as vertentes. De uns, vem a acusação de “oportunismo eleitoral” contra aqueles que utilizam como tática a combinação entre luta parlamentar e extraparlamentar. De outros, a denúncia da participação em sindicatos reformistas ou, nas palavras de Lênin, “amarelos”. Por fim, a reprodução de uma visão puritana e isolacionista na ação revolucionária. O verdadeiro pânico disseminado a partir da capitulação do Partido dos Trabalhadores diante de qualquer proposta de aliança tática fora do campo dos partidos operários é uma clara expressão da disseminação destas posições. A ampliação das alianças eleitorais, que no caso do PT foi uma das últimas manifestações de seu processo de degeneração, é correntemente tratada como sua causa primeira. Um erro digno daqueles que não conhecem a experiência do PT e as opções tomadas uma década antes por seu núcleo dirigente.

Assim, analisando superficialmente algumas das práticas que caracterizam as organizações esquerdistas, encontraremos vários partidos ou facções que se encaixam perfeitamente no conceito de Lênin. Isso comprova que o conceito de esquerdismo segue tendo validade, ainda que, evidentemente, estas organizações não estejam entre os mais perigosos inimigos de uma consequente luta de classes.

“Há compromissos e compromissos” (Lênin)

O capítulo VIII é talvez o mais importante: chama-se “Nenhum Compromisso?” e demonstra bem a atualidade de Esquerdismo, doença infantil do comunismo. Isso porque, ao contrário do sugere o título deste capítulo, o texto de Lênin não é uma apologia às manobras de ocasião ou à flexibilidade de princípios.

Acusado pelos social-revolucionários de ter firmado um compromisso com os imperialistas alemães durante as negociações de paz em Brest-Litovsky, Lênin utiliza uma genial alegoria como resposta. Diz ele:

“Imagine que o carro em que você está viajando é detido por bandidos armados. Você lhes dá o dinheiro, a carteira de identidade, o revólver e o automóvel; mas, em troca disso, escapa da agradável companhia dos bandidos. Trata-se, evidentemente, de um compromisso (dou meu dinheiro, minhas armas e meu automóvel, para que me dês a possibilidade de seguir em paz). Dificilmente, porém, se encontraria um homem sensato capaz de declarar que esse compromisso é “inadmissível do ponto de vista dos princípios”, ou de denunciar quem o assumiu como cúmplice dos bandidos (ainda que esses, possuindo o automóvel, e as armas, possam utilizá-los para novas pilhagens). Nosso compromisso com os bandidos do imperialismo alemão foi semelhante a esse”. (p. 31, cap. IV)

Assim, mesmo respondendo a uma conjuntura muito particular, Lênin tratou de expressar os limites entre o combate ao sectarismo e a flexibilização de valores. Segundo ele: “negar compromissos por princípio, negar a legitimidade de qualquer compromisso, constitui uma infantilidade que é inclusive difícil de se levar a sério”. Mas ressalva: “O político que queira ser útil ao proletariado deve saber distinguir casos concretos de compromissos que são mesmo inadmissíveis expressões de oportunismo e traição” (idem). Lênin se refere aqui, sobretudo, à traição dos partidos social-democratas que se aliaram às suas burguesias nacionais quando da eclosão da Guerra Mundial de 1914. Para ele, o principal inimigo das concepções revolucionárias dentro do movimento operário era precisamente o chauvinismo dos partidos social-democratas filiados à II Internacional Socialista e sua esperança numa transição pacífica até o socialismo. Ou seja, assim como hoje, não era o esquerdismo o que impedia o avanço da luta de classes, mas o oportunismo da social-democracia.

Ao final do livro, entre as conclusões, Lênin assinala que a tarefa central da vanguarda revolucionária consiste em “saber atrair as amplas massas (hoje, em sua maior parte, ainda adormecidas, apáticas, rotineiras, inertes) para uma nova posição ou, melhor dizendo, em saber dirigir não só seu próprio partido, como também essas massas” (P. 114, Conclusões).

Evidentemente, é preciso equilibrar o combate ao oportunismo social-democrata – ou no caso do Brasil, social-liberal – e a luta contra as posições esquerdistas, cada vez mais minoritárias entre os trabalhadores brasileiros. Devemos lembrar que Esquerdismo, doença infantil do comunismo é escrito pelo principal líder de uma revolução até então vitoriosa.

Como fica evidente ao longo do texto, para Lênin a tarefa histórica de ganhar para o poder soviético e para a ditadura da classe operária a vanguarda consciente do proletariado, havia sido cumprida consolidando uma vitória ideológica e política completa sobre o oportunismo e a social-democracia. Por isso, quando da publicação da obra, todas as atenções estão voltadas ao cumprimento de uma segunda tarefa histórica: atrair as massas para uma posição capaz de assegurar o triunfo da revolução, para o que seria indispensável liquidar o doutrinarismo de esquerda. Levando em conta a distância que separa os trabalhadores brasileiros e sua vanguarda da tomada do poder, é preciso, obviamente, relativizar o peso dado à necessária luta contra o esquerdismo.
Num tempo de alianças espúrias, coalizões baseadas na “governabilidade” e defesa de pactos entre classes em prol do “desenvolvimento nacional”, este talvez seja o mais valioso ensinamento da obra do grande líder revolucionário: o esquerdismo deve ser combatido, porque impede a realização de eventuais compromissos necessários ao avanço da luta de classes, mas ele não é o inimigo principal. Por isso e pela necessidade de garantir que os partidos e organizações populares mantenham seu vínculo com as mais sensíveis demandas do povo, negando fórmulas prontas e dogmas sagrados, Esquerdismo, doença infantil do continua sendo uma obra de grande valor.

Notas:

[i]     Associação Internacional dos Trabalhadores, fundada em Londres em 1864.

[ii]                OEstadoeaRevoluçãooqueensinaomarxismosobreoEstadoeopapeldoproletariadonarevolução foi escrito por Lênin e publicado em setembro de 1917, às vésperas da Revolução Russa de outubro

[iii]                Fundado em 1898 em Minsk, buscava unir as várias organizações revolucionárias em um partido único. O POSDR mais tarde se dividiria entre bolcheviques (maioria) e mencheviques (minoria), com os primeiros se tornando o Partido Comunista da União Soviética.

[iv]              Os chamados “comunistas de esquerda” eram acusados por Lênin de querer separar os chefes revolucionários da massa – contrapondo a ditadura das massas a uma suposta ditadura dos chefes. Lênin censura particularmente alguns “esquerdistas” alemães por considerarem os partidos políticos inúteis. Segundo Lênin, “negaranecessidadedoPartidoedadisciplinapartidária(…)equivaleadesarmarcompletamenteoproletariadoemproveitodaburguesia.

[v]              Partido político agrário, herdeiro das tradições populistas (narodniks) do século XIX. As linhas gerais do seu programa anunciavam medidas de grande impacte político-social: derrube da autocracia, estabelecimento de uma sociedade sem classes, autodeterminação das minorias do Império, e, sobretudo, a coletivização da terra, que deveria ser distribuída pelos camponeses de acordo com as necessidades de cada um. Em 1917, em pleno processo revolucionário, diversos socialistas revolucionários, agora mais identificados com os interesses moderados da burguesia, integraram o soviete de Petrogrado e o Governo provisório de Kerensky. Após a revolução de outubro passaram à oposição ao regime liderado pelos bolcheviques.

[vi]              Em 4 de Abril de 1912, durante uma greve nas minas de ouro do Lena, na Sibéria, mais de 500 operários foram mortos e feridos por ordem de um oficial da polícia czarista. O fuzilamento da multidão de mineiros desarmados, que seguiam pacificamente para iniciar conversações com os patrões, alvoroçou o país inteiro. (HistóriadoPCUS- Edições Progresso, Lisboa, 1938).
[Publicado em Um mundo a ganhar – e outros ensaios, Editora Multifoco, 2012]

http://socialismo.org.br/2013/01/lenin-e-a-atualidade-de-esquerdismo-doenca-infantil-do-comunismo-2/





ONLINE
9