Governo anuncia calendário de promoções

Governo anuncia calendário de promoções

Governo anuncia calendário de promoções, mas mantém política de exclusão

O governo do Estado anunciou na manhã desta segunda-feira, dia 4, o pagamento de promoções para 8,3mil professores. A promoção era uma das reivindicações da greve realizada pelos educadores da rede estadual entre os dias 23 de agosto e 13 de setembro. O pagamento, porém, não contempla funcionários de escola e aposentados.

O cronograma de todos atrasados atingirá 21.537 professores e especialistas até o final de 2014. Pelo calendário, além dos 8.341 que deverão ter os nomes publicados no Diário Oficial de terça-feira, dia 5, 9.752 subirão de cargo em abril e 3.444 em novembro de 2014. A mudança é referente ao período entre 2003 e 2012, das classes A, B, C, D e E.

O CPERS/Sindicato lembra que as promoções eram um direito negado à categoria desde 2002 e que o tema sempre esteve entre suas prioridades. Na greve deste ano, o Comando pautou o tema entre as reivindicações prioritárias, chegando, na última rodada de negociação, a exigir que o governo apresentasse uma proposta de pagamento, inclusive dizendo que ele deveria ser para o conjunto da categoria (professores, funcionários, especialistas e aposentados).


No último período, o CPERS/Sindicato encaminhou dois documentos ao governo solicitando audiência para, entre outros temas, discutir: promoções, projeto de inclusão dos funcionários de escola no plano de carreira e concurso para funcionários de escola. No mesmo período, o sindicato encaminhou documento ao Codipe para tratar do projeto apresentado pela entidade que transforma o vale-refeição em auxílio alimentação.


O Sindicato lamenta o fato de o governo ter excluído das promoções os funcionários de escola e os aposentados. É inadmissível que o governo tenha elaborado um calendário de pagamentos deixando os aposentados e os funcionários de fora, trabalhadores em educação que muito contribuem para o processo educacional.


O CPERS/Sindicato continuará insistindo para que o governo marque audiência na busca de garantir as promoções para o conjunto da categoria. O sindicato também continuará lutando para que o governo cumpra sua promessa de campanha e implemente o piso salarial para os professores, bem como crie uma lei específica para garantir o mesmo piso para os funcionários de escola.  A entidade jamais abrirá mão de lutar para que as conquistas obtidas pela luta da classe trabalhadora sejam garantidas ao conjunto da categoria - professores, funcionários, especialistas e aposentados.


João dos Santos e Silva, assessor de imprensa do CPERS/Sindicato




ONLINE
21