Ensinar é sonhar

Ensinar é sonhar


AQUILLINO DALLA SANTA NETO

 

No tempo em que ainda éramos crianças, quando vivíamos sonhando que o mundo era perfeito ou que ao menos parecia ser, não imaginávamos que as coisas não seriam bem como achávamos que eram. Nossos pais faziam tudo para acreditarmos que a educação era perfeita e que era através dela que iríamos conquistar a nossa independência econômica, a cidadania e o respeito próprio. Contudo, esse tipo de pensamento fazia parte de uma cultura e convicção que não existem mais.


A palavra “ensinar” morreu há alguns anos, quando o aprender deixou de ser interessante para todos, menos para aqueles que ainda possuem os princípios básicos da educação vivos dentro de si. Mas por que nos preocuparmos em manter um nível de ensino em que a qualidade e a seriedade sejam prioridades nos dias atuais?


Entende-se que poderia ser também para sentirmos algum orgulho de nossos estudantes e tranquilidade em imaginar que no futuro estaríamos sendo bem atendidos por profissionais liberais que representam uma sociedade que, mesmo sendo hipócrita, ainda existe e comanda todo o processo político, econômico e cultural do qual participamos.


A situação encontra-se na penumbra. O cenário, árido e recoberto por um novo manto de cor avermelhada. É preciso ter consciência da importância da presença da verdade no processo de avaliação, da disciplina para auxiliar o professor na sala de aula, da ética para evitar a presença do mal nas instituições e da excelência para equilibrar os níveis de ensino e aprendizado que devem ser conquistados por todos nós.


Por outro lado, se formos pensar em resgatar o bom senso, a coerência e tratar a realidade como deve ser tratada, podemos, sim, mudar toda essa situação em que a educação se encontra. Uma situação em que os valores se inverteram. Uma situação em que pais e alunos mandam nos professores e dizem como nós devemos atuar em sala de aula. Ora, creio que se um professor é licenciado é porque foi ele quem cursou as disciplinas da área para estar em sala de aula. Não é verdade?


Chegou a hora de revermos aonde queremos chegar com essas mudanças ridículas de não poder mais expulsar alunos por atitudes graves, de não existir mais reprovação, quando é preciso, e de professores sendo denunciados por exigirem disciplina e atenção dentro da sala de aula. Este é o tempo em que os pais ficam do lado dos filhos e contra os professores. Essa é a inversão mais grave. É isso. Por enquanto, ensinar nos dias de hoje tornou-se apenas sonho.

Correio do Povo - dia 03/10 - página 2




ONLINE
8