Defende pauta do ESP?

Defende pauta do ESP?

Quem defende pauta do Escola sem Partido pensa que tem filhos idiotas

SÃO PAULO – SP – COTIDIANO -Secundaristas são retirados a força pela tropa do braço da policia militar do Centro Paula Souza, que estava ocupado em protesto pelo bandeijão nas Etesps. – 06/05/2016 – Foto Marlene Bergamo/Folhapress – 017

Até o domingo passado, eu não tinha dado atenção ao tal movimento Escola sem Partido. A reivindicação é tão rasa e absurda que não me parecia merecer mais que um muxoxo desinteressado. Eu reagiria dessa mesma forma ao artigo de Gustavo Ioschpe, se o começo do segundo parágrafo não me causasse uma sensação curiosa: se o que ele escreve for verdade, eu não estudei no Brasil.

Fiquei tão perplexo que resolvi ver do que se tratava.

Reproduzo o trecho que causou meu espanto: “Que nossas escolas, tanto públicas quanto particulares, foram há muito invadidas por pregação ideológica, quase sempre de viés filossocialista, não deveria ser novidade para ninguém”.

Frequentei o ensino fundamental e o médio em escolas públicas, na maior parte das vezes, mas fui alfabetizado em uma escola privada. Fiz a graduação na Unicamp, onde também defendi uma dissertação de mestrado. Meu título de doutor é da Universidade de São Paulo. Estudei no Brasil e posso dizer com toda segurança que Ioschpe está pintando uma realidade que não existe.

Quando eu estava no primeiro ano da graduação, por exemplo, um professor de latim entrou na sala de aula e, antes de se sentar, viu o cartaz de uma palestra que seria proferida na semana seguinte. “Isso é coisa de petista”, ele comentou rindo, “não percam seu tempo com uma bobagem dessas”. Era um homem elegante, culto e de ideias conservadoras. Muitos alunos o adoravam.

Esse tipo de coisa acontecia o tempo inteiro. Na última eleição, dois dos meus melhores professores da graduação escreveram um artigo defendendo a candidatura de Marina Silva, que não era exatamente de viés marxista. Aliás, nunca tivemos um candidato a presidente com reais chances de vitória que tivesse o socialismo como horizonte.

Outro dia um senhor publicou na internet um texto zombando da manifestante que perdeu uma das vistas em um protesto em São Paulo. Ele acha que foi muito bem feito para ela. É um professor da Unesp. Alguém acha que ele é marxista?

A Faculdade de Direito do Largo de São Francisco abriga a professora Janaína Paschoal, mas também a dignidade jurídica de Rafael Mafei Rabelo Queiroz e Conrado Hübner Mendes, que, neste mesmo jornal, com equilíbrio e segurança, demonstraram a ilegalidade da repressão policial às manifestações que pedem, entre outras coisas, eleições diretas para presidente agora mesmo.

Salvo engano, a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, para muitos um antro comunista, forneceu ministros em todos os governos do pós-ditadura, de José Sarney a Dilma Roussef. O privatista Fernando Henrique Cardoso saiu da FFLCH. Pela lógica de Ioschpe, ele é um filossocialista!

O tal centro de doutrinação que essas pessoas querem construir não passa de delírio. A universidade abriga na verdade uma quantidade muito grande de pessoas que pensam de formas muito diferentes. Os defensores do tal Escola sem Partido acham que pensar diferente deles é um erro. Para muitos (não é o caso de Ioschpe) um crime.

Antes de continuar, vale a pena pensar nos ciclos de ensino fundamental e médio. Ioschpe defende que aqui também a única coisa que os alunos recebem na escola é doutrinação de esquerda. Para se embasar, lança mão de uma pesquisa cujas perguntas já são, por si mesmas, equivocadas. É um absurdo pedir para alguém escolher entre liberdade e igualdade. Uma não existe sem a outra.

Podemos nos deter um instante sobre as ocupações que estudantes promoveram em suas escolas públicas no ano passado e chamaram atenção do mundo inteiro. Se formos dar crédito para as ideias do movimento Escola sem Partido, eles estavam reivindicando que o controle dos meios de produção passasse para as mãos dos trabalhadores, que o sistema bancário fosse abolido e que sovietes fossem logo formados para a administração da nova sociedade vermelha.

Os estudantes reivindicavam de fato merenda de melhor qualidade, o fim da proposta que os afastaria de suas escolas de origem e um pouco mais de dignidade no ensino. Simplesmente isso. Mesmo essas propostas não receberam apoio nem sequer de todos os seus professores. Onde está a doutrinação filossocialista, se vários docentes defenderam abertamente a invasão dos prédios pela polícia? O Escola sem Partido acaba de inaugurar uma figura curiosa: o comunista que é a favor de merenda ruim para quem não pode pagar uma escola particular.

Há ainda uma curiosidade no libelo delirante de Ioschpe: o pensamento de esquerda seria ideologizado. O dele, não… É curioso ver como essa gente vai operando sutilezas semânticas para criar a realidade que lhes interessa. A intenção aqui é bastante clara: o pensamento imparcial seria aquele que defende o mercado, o neoliberalismo e seu parque de diversões financeiro. Será que essas pessoas acham que só elas compreendem as nuances da linguagem?

O real objetivo das ideias que Gustavo Ioschpe defende é esconder uma questão que os conservadores detestam. O que impede a escola brasileira, em qualquer grau, de atingir melhores níveis não é o viés ideológico de seus professores. Na verdade, eles ganham muito mal, o governo retira continuamente verbas da educação e, no geral, não existe nenhum tipo de estímulo para a carreira docente. O objetivo desse Escola sem Partido é agravar ainda mais esse quadro.

Posso dizer com toda tranquilidade que não existe doutrinação nenhuma nas escolas. Cada professor pensa de um jeito e há uma enormidade de conservadores dando aula, possivelmente na mesma proporção que nas outras profissões. Achar que uma pessoa possa não ter uma ideologia é uma bobagem, das tantas que tomaram conta do Brasil. Peço desculpas por ter escrito só obviedades.

Eu queria, porém, terminar com outra. Como todo mundo sabe, convicções políticas se formam a partir de múltiplas experiências. A escola é apenas uma delas. A propósito, durante a vida nossas inclinações vão mudando, sendo testadas, aprimoradas e transformadas. As pessoas que defendem a pauta do movimento Escola sem Partido acham que o filho se dobra a qualquer opinião, não sabe pensar sozinho e vai ter sempre a mesma idade. Acreditam portanto que colocaram no mundo idiotas.

Parem de envergonhar seus filhos.

* RICARDO LÍSIAS, 41, é escritor, autor de cinco romances e dois volumes de contos, traduzidos para vários idiomas. Ganhou os prêmios Portugal Telecom de Literatura Brasileira (3º lugar, por “Duas Praças”, em 2006) e o de melhor romancista da Associação Paulista de Críticos de Arte (“O Céu dos Suicidas”, 2012). É um dos editores da revista “Peixe-elétrico” e foi selecionado pela revista “Granta” como um dos 20 melhores jovens escritores brasileiros.

Fonte: Folha de S. Paulo, 07.09.2016. Disponível em http://m.folha.uol.com.br/ilustrissima/2016/09/1810775-quem-defende-pauta-do-escola-sem-partido-pensa-que-tem-filhos-idiotas.shtml#

 

https://espacoacademico.wordpress.com/2017/09/11/quem-defende-pauta-do-escola-sem-partido-pensa-que-tem-filhos-idiotas/ 




ONLINE
12