Conclusão do Ensino Médio

Conclusão do Ensino Médio

Conclusão do Ensino Médio cresce 15% no RS

Apesar deste percentual, Estado ainda tem os piores índices da Região Sul, segundo dados do Todos Pela Educação

18/02/2016

Conclusão do Ensino Médio cresce 15% no RS Carlos Macedo/Agencia RBS

Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

O Todos Pela Educação (TPE) divulgou nesta quinta-feira levantamento sobre a meta 4 do movimento, que monitora a conclusão do Ensino Médio (EM) por jovens até 19 anos e também a conclusão do Ensino Fundamental (EF) até os 16 anos no país. Nos últimos 10 anos, ambas as taxas cresceram cerca de 15%.

Na Região Sul, o Rio Grande do Sul apresenta os menores resultados, mas avançou mais do que Paraná e Santa Catarina na taxa de conclusão do Ensino Médio, ainda que tenha ficado abaixo do resultado nacional e da meta prevista pelo TPE para o ano. O Estado aumentou em 15% o número de estudantes que concluíram o EM de 2005 a 2014. Entre os que concluíram o EF até 16 anos neste mesmo período, o crescimento ficou em 5,2%, a metade do registrado por Paraná e um terço do resultado catarinense. Os dados consideram a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do IBGE.

Leia mais:
RS avança no atendimento escolar a crianças com quatro e cinco anos
UFRGS punirá estudantes que fizerem trotes violentos

Conheça carreiras que não exigem faculdade

Para os coordenadores do TPE, um dos desafios da educação gaúcha para melhorar seus índices é discutir e implantar formas alternativas à reprovação, para diminuir a distorção idade/série, prevista nas metas 2 e 3, que influenciam diretamente na meta avaliada agora.

— Os dados nos levam à hipótese de que, no Rio Grande do Sul, ainda há uma política de reprovação e isso não é favorável ao desempenho escolar. A reprovação, além de não garantir melhor aprendizado, ela fará com que esse aluno acabe deixando a escola — avalia a superintende do TPE, Alejandra Meraz Velasco.

Diretora do Departamento Pedagógico da Secretaria Estadual de Educação, Márcia Coiro adianta que, há pelo menos três anos, o Estado têm tomado medidas para reverter a distorção idade/série e índices de reprovação. Uma delas é a progressão continuada no EF, em que o aluno vai para a série seguinte, mas é mantido o trabalho de acompanhamento de suas dificuldades. A educação em tempo integral também deve chegar a cem escolas estaduais neste ano, segundo a diretora.

— É um processo crescente, que ainda não aparece nos números — diz Márcia.

Até 2022, prazo estipulado pelo TPE para alcance das 5 Metas, 95% dos jovens de 16 anos deverão completar o Ensino Fundamental, e 90% ou mais dos jovens de 19 anos deverão concluir o Ensino Médio.

— Acho que não alcançaremos — lamenta Alejandra.




ONLINE
3