Conceito de família

Conceito de família

 

por Toni Gonçalves




Antigamente as famílias eram constituídas de pai, mãe e filhos.
A maioria com muitos filhos. Havia união e respeito entre todos os membros.

Não existia computador nem TV.

O tempo foi passando e as famílias diminuindo, hoje a média é de 2 filhos.

É comum os filhos serem educados por avós, tias, babás ou empregadas. Muitas vezes essas crianças respeitam e amam mais a uma empregada doméstica do que a própria mãe.

Antigamente as mães respeitavam e eram respeitadas pelos filhos.


Hoje é diferente.

Há muita agressividade e falta de respeito. Algumas mães brigam com os filhos aos palavrões, e os filhos xingam e respondem aos pais e avós, também com palavrões.

Hoje os casamentos acabam muito cedo.

Novas uniões geram novos relacionamentos, criam-se padrastos e madrastas e meios irmãos, filhos do pai com outra mãe, ou filhos da mãe com outro pai.

Os avós também são divididos, ... ela é avó do meu meio irmão.

E o relacionamento com a segunda nora, ou com a “segunda esposa do filho”,  muitas vezes é difícil .
Será que uma segunda esposa vai tratar com amor os filhos do marido com “a outra”, ou o enteado vai aceitar a madrasta, que vai substituir sua mãe?

Hoje, vê-se muito aquelas mães que abandonam marido e filhos para  viverem com outra mulher, ou pais que vão viver com outro homem, ... e ainda falam de “amor”.




Agora está na moda o casamento de casais do mesmo sexo.
Não tenho nada contra essa união, mas aceitar a adoção de filhos para esses casais, poderá ser complicada. Será que vão criar filhos felizes ?






A personalidade se forma nos primeiros anos de vida, antes dos dez anos de idade, e se forma com exemplos de pai e mãe, precisam de carinho, energia e limites. Necessitam dos exemplos da figura masculina e feminina.

Quando os pais, ou padrastos ou ainda avós acham que o mais importante é dar amor e liberdade e excedem não reprimindo algumas atitudes erradas por acharem que poderão compensar mimando aqueles filhos, estão criando futuros adultos que se julgarão sempre no direito a tudo que querem não sabendo respeitar a sociedade ou assumir responsabilidades.
Se tornarão arrogantes e sentirão dificuldades que poderão levá-los a sofrimentos.

Dar amor, implica em ensinar o respeito, a responsabilidade, a ética e moral.

Na minha profissão, tomo conhecimento de casos muito problemáticos. Jovens em depressão, com síndrome de pânico, dificuldades de relacionamentos, problemas sexuais, drogas, etc.

Será que muitos casos de violência ou de drogas não estão ligados a esses desastres familiares ? Alguns jovens não respeitam ninguém, nem amigos, nem parentes, nem professores.
Aliás, nem a vida.

Os noticiários diários nos mostram crimes bárbaros envolvendo pais e filhos, ou enteados e irmãos.

Cada dia os criminosos estão mais jovens e mais violentos, e muito mais frios.



OPINIÃO ASSINADA PELO PSICANALISTA  TONI GONÇALVES

http://www.cpp.org.br




ONLINE
11