Bravos Servidores

Bravos Servidores

 

BRAVOS SERVIDORES DO RS!... 

          Bravos servidores, povo que não tem virtude – acaba por ser escravo. 

          Não é possível deixar que em plena comemoração de data lembrada com orgulho pelo povo gaúcho como sinal de liberdade, nos deixar escravizar totalmente – com perdas de direitos adquiridos, com falta de salários e com esses PLs  prejudicando o funcionalismo em geral. 

           Parcelamento não é salário ainda mais quando representa o mínimo do mínimo. A própria CF/88 diz que nenhum trabalhador pode receber abaixo do salário mínimo – os R$600,00 estão abaixo do mínimo e foi socializado para todos os funcionários do Rio Grande do Sul. Estão tirando de nós, funcionários para manter o status do Parlamento e do Executivo em tempo de crise. 

            Os responsáveis pela gestão pública e pelo andamento da questão política – econômica é que devem pagar pela crise.  

            O Presidente da Assembleia disse: “O Parlamento não vai aceitar se colocar de joelhos a ninguém”. (16/09/2015)   

               Muito bem, pessoal!... 

               Eles só se colocam de joelhos quando querem ser eleitos. Depois o que interessa é manter o status através das altas remunerações que nós servidores, ajudamos a manter. 

                Eles vivem de orgia (pagamentos integrais + benesses) e a nós repassam as contas resultantes dos efeitos da crise. 

                   Em Brasília – extensão do Parlamento  estão preocupados com a Reforma Política e quem pode financiar campanhas (para comprar os eleitores) e menos com os problemas do povo e do país. 

                     Aqui já nos usurparam demais e, por esse motivo, os servidores se fizeram valer pelo que representam para o Estado – são os funcionários que fazem andar a máquina administrativa com a presteza de serviços à população.  Sem eles o povo grita! ...  A máquina para e por isso o povo grita, a violência aumenta e o perigo a cada passo. 

             As pessoas são largadas a própria sorte, especialmente na área da saúde e da segurança.  As escolas param e, pena que os Professores se disponham a recuperar.  

              A sociedade precisa entender os verdadeiros culpados pelo caos que acaba na falta do serviço oferecido à população.  Tem que cobrar destes responsáveis e não do funcionário (próximo da comunidade). 

               Deputados e o próprio Governador – distantes do povo,  inacessíveis.  Não devemos nos sensibilizar com as cobranças. Ajudem  a todos nós a reivindicar melhoras. Funcionário também  contribuinte, também paga impostos, taxas e preço de mercadorias que ainda vão ficar mais caras se aprovado o aumento do ICMS. 

                 Deputados não estão se responsabilizando pela crise e dizem que não vão se colocar de joelhos para ninguém. 

                  Também não é a vez destes que fazem andar o Estado se colocarem de joelhos frente ao Parlamento – é o que já fizeram os funcionários.

                     Bravos! 

                     Liberdade!... Igualdade!...  Fraternidade!...  

                     Ideais da Revolução que mudou o mundo (1789). 

                      E, aqui no Rio Grande do Sul e no Brasil inteiro precisamos mudar a ideia de Parlamento  (todo Poder) e de Democracia – que só considera o voto e este já não está representando mais nada. Vejam os parlamentares  que votam contra nós e o povo em geral e que não dividem a crise, querendo ter os funcionários e o povo submissos, depois de eleitos.  O Parlamento não vai se ajoelhar para ninguém – significa que o povo é que deve se ajoelhar.  

                Funcionários já demonstraram a altivez e o brilho de verdadeiros heróis destes tempos difíceis pelo qual passa todo o Estado brasileiro e principalmente o Rio Grande do Sul. 

                   Bravos funcionários rio-grandenses!...  

 

             Obrigada! 

Cachoeira do Sul, 16 de setembro de 2015.   Edith Jaques  (Professora)  

 




ONLINE
14