Barrar lei das RPVs

Barrar lei das RPVs

OAB abrevia rito ao STF para barrar lei das RPVs

MARCO QUINTANA/JC

Segundo Claudio Lamachia, nova legislação é injusta com os cidadãos

Segundo Claudio Lamachia, nova legislação é injusta com os cidadãos

A publicação do Projeto de Lei nº 336/2015, que reduz o limite de pagamento das Requisições de Pequeno Valor (RPVs), e que deve ocorrer na próxima semana com a sanção do governador José Ivo Sartori (PMDB), marcará também o ajuizamento de uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin) por parte da seccional gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Segundo o vice-presidente nacional da entidade, Claudio Lamachia, a OAB vai abreviar o rito costumeiro de encaminhar a decisão à discussão dos conselheiros federais antes de protocolar a Adin. "Isso ocorre pela gravidade do tema e porque já temos um precedente relativo à alteração da lei de RPVs, na qual já temos um parecer favorável da Procuradoria-Geral da República", explica. Lamachia se refere à Lei Estadual nº 13.756/2011, que aumenta o prazo para o pagamento das requisições de 60 para 180 dias e limita o montante anual a 1,5% da Receita Líquida Corrente do Estado. Naquele ano, a OAB também entrou com uma Adin junto ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O texto aprovado pelos parlamentares prevê a redução no limite de pagamento de 40 para 10 salários-mínimos e não será aplicada para as ações com trânsito em julgado. A consequência direta do projeto será uma diminuição nos valores pagos pelo Estado a seus credores e uma ampliação na fila de pagamento dos precatórios.

Outra repercussão está no valor pago a pessoas que integram a fila preferencial de pagamento dos precatórios, cujo montante previsto pela legislação é de até três vezes o teto das RPVs. "É uma lei que, além de ferir dispositivos legais, é injusta com o cidadão, porque impõe mais um calote à cidadania do Rio Grande do Sul", critica Lamachia.

Até setembro deste ano, a dívida do Estado com precatórios se acumulava em R$ 9,4 bilhões.

A vitória do Executivo ocorreu com 25 votos a 24, proporcionada pelo voto de minerva do presidente da Assembleia, deputado Edson Brum (PMDB), e após cinco tentativas frustradas pela retirada de quórum das seções.

O Cpers-Sindicato também anunciou que ingressará com a Adin após a publicação da lei no Diário Oficial.

 
http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2015/11/politica/467222-oab-recorrera-a-stf-para-barrar-lei-das-rpvs.html




ONLINE
6