Aumentar a jornada escolar não garante aprendizado

Aumentar a jornada escolar não garante aprendizado

 

Só aumentar a jornada escolar não garante o aprendizado
Paulo Sérgio Santos Rocha

 

Atualmente, fala-se muito na escola de tempo integral, mas para que ela funcione plenamente é importante melhorar a infra-estrutura, terem profissionais da educação qualificados e uma proposta pedagógica que atinja seus objetivos.

Observa-se que o investimento em infra-estrutura na educação deixa muito a desejar. Os governos implementam escolas de tempo integral em colégios de ensino regular, para só depois, fazer as melhorias necessárias, de maneira que, alguns estabelecimentos entram em reforma em pleno período letivo comprometendo o calendário escolar. O governador Wilson Martins anunciou que até o final de 2013 o Piauí terá 350 escolas de tempo integral. Fonte:  www.seduc.pi.gov.br.

Nesta conta não se deve considerar os colégios de ensino regular que tem somente o Programa Mais Educação, já que, nesta modalidade, os alunos tem atividades extraclasse no contra-turno, ou seja, não passam o dia na escola. Se o governo não consegue cumprir a Lei do Piso dos Professores que manda pagar pouco mais de dois salários mínimos como vencimento básico e reduzir em 1/3 a carga horária para atividades extraclasse como pode oferecer um ensino de tempo integral de qualidade?

Existe uma carência de formação continuada para os profissionais que atuam nas redes de ensino, o que se vê são medidas pontuais. O professor, para se qualificar, muitas vezes, tem pagar cursos do seu salário e abdicar de seu pouco tempo disponível, de modo que, nestas condições o docente não pode oferecer um ensino de qualidade. 

Para que as crianças nestas escolas realmente aprendam, é preciso uma proposta pedagógica em que a comunidade escolar participe de sua elaboração e implementação, a mesma deve ser acompanhada por uma equipe gestora para que se possa  fazer os ajustes necessários, de modo que, ampliar o tempo da criança  não garante uma melhora no aprendizado se não forem criadas as condições necessárias de  ensino e aprendizagem. O Ministério da Educação (MEC), juntamente com entidades do setor educacional discutiram propostas para ampliação da jornada escolar, o encontro resultou em uma proposta a ser enviada ao Congresso Nacional, com a meta de em 05 anos ampliarem a duração da carga horária de quatro para cinco horas, em dez anos, para seis, e em 15 anos, para sete. O Plano Nacional de Educação (PNE) propõe que 50% das instituições públicas de Educação Básica ampliem sua jornada até 2020. Fonte: portal. mec.gov.br

Portanto, para que a escola de tempo integral tenha uma qualidade satisfatória é necessário investir numa infra-estrutura como cozinhas, refeitórios, bibliotecas, laboratórios de ciências e informática. Os docentes devem ter afinidade com as mesmas e é importante melhorar suas condições de trabalho e salário e ter um programa de formação continuada, ainda mais, devem elaborar e participar da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino. Só aumentar o tempo de ensino na escola não resolve o problema. Para que as aulas extras tenham significado é necessário que tenham relação com as outras disciplinas. Só assim, a ampliação da jornada escolar trará resultados positivos e se terá uma educação de qualidade.

*Paulo Sérgio Santos Rocha é professor 

Ler mais: http://www.deverdeclasse.org/news/so-aumentar-a-jornada-escolar-nao-garante-o-aprendizado/




ONLINE
14