A greve continua

A greve continua

Protestos na Assembleia vão marcar o quarto dia da greve dos servidores

Nesta quinta-feira, categorias também devem decidir se encerram a paralisação ou estendem até sexta

Por: Vanessa Kannenberg

Protestos na Assembleia vão marcar o quarto dia da greve dos servidores Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Na quarta, diversas ruas foram bloqueados por servidores em protesto contra o parcelamento de saláriosFoto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Duas audiências públicas devem reunir os servidores estaduais junto à Assembleia Legislativa na manhã desta quinta-feira, quarto dia da greve do funcionalismo. Ao longo da quinta, as categorias também devem anunciar se estenderão a paralisação ou se retomarão os serviços na sexta-feira. A tendência é que a greve dure mais um dia.

A principal audiência está marcada para as 11h15min e deve lotar o Auditório Dante Barone. O encontro vai discutir o projeto de lei complementar 206, proposto pelo governo Sartori, que estabelece normas de responsabilidade da gestão fiscal e limita gastos como o reajuste do funcionalismo - inclusive pode reverter alguns já concedidos pela gestão Tarso, como o dos militares.

Serviços funcionam com restrições no terceiro dia de greve
"Barulhaço" no Piratini e bloqueios de ruas marcaram manhã de protestos

Entre os convidados, além de representantes do Legislativo, Executivo e TCE, estará uma das líderes do movimento que promoveu, em 2014, a maior paralisação nos serviços públicos no Paraná, a professora Marlei Fernandes de Carvalho.

Às 14h, o Movimento Unificado, que reúne 44 categorias, deve apoiar um ato público promovido pelo Cpers em frente ao Palácio Piratini. A partir das 17h, os servidores participam de uma reunião que vai discutir o projeto dos três senadores gaúchos que revisa a dívida do RS com a União. Pelo texto, o Estado passaria de devedor a credor de R$ 5 bilhões. O encontro ocorreu na sede da Fessergs, na Capital, e terá presença de Paulo Paim.

Bancos que abrirem quando não houver policiamento serão multados
Servidores protocolam ação contra deputado que os chamou de "vadios"

Veja como devem ficar os serviços nesta quinta-feira:
 
Segurança Pública: a Brigada Militar e o Corpo de Bombeiros devem continuar promovendo aquartelamento e atender somente ocorrências urgentes e emergentes. Como são proibidos de fazer greve, familiares de PMs devem novamente bloquear a saída de quartéis em todo o Estado. A Polícia Civil deve continuar atendendo somente crimes graves, como homicídios e acidentes com morte, e interromper as investigações. Os agentes penitenciários também devem manter apenas 30% do efetivo trabalhando nas cadeias.
 
Bancos: a Justiça concedeu liminar determinando que as agências bancárias não abram em caso de falta de policiamento e estipulou multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento. Nesta terça, somente algumas agências fecharam as portas na Capital.
 
Educação: as escolas estaduais devem permanecer fechadas. De acordo com o Cpers, mais de 90% dos professores estão paralisados. A orientação é de que os pais não levem os filhos para a aula.
 
Saúde: instituições estaduais de saúde seguem aderindo ao movimento, mantendo somente os serviços essenciais em locais como Hospital Sanatório Partenon, Hospital Psiquiátrico São Pedro, Hospital Colônia Itapuã, Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde (Fepps) e Ambulatório de Dermatologia Sanitária. O mesmo ocorre nas coordenadorias de saúde. Já a Escola de Saúde Pública deve paralisar completamente.
 
Transporte público: não há paralisação e nem previsão de interromper o serviço na Capital.


http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/09/protestos-na-assembleia-vao-marcar-o-quarto-dia-da-greve-dos-servidores-4839021.html




ONLINE
14