30 anos de EJA

30 anos de EJA

30 anos de EJA em Porto Alegre

A cidade de Porto Alegre vive dias de muita tristeza. O prefeito eleito por menos de 35% dos eleitores, derrotado pelos brancos e nulos, implementa políticas neoliberais com truculência e total falta de diálogo.
Marchezan Junior, playboy, mimado e fascista, filho da elite de POA, traz para a gestão da cidade o lado mais canalha do PSDB (se é que existe um outro lado!).

Pouco a pouco, destrói as políticas públicas sociais que são dirigidas aos excluídos, pois, mesmo não conhecendo a realidade do povo, odeia os pobres, os despossuídos.

Nessa semana, no silêncio da noite, em plenas férias das escolas municipais, decide por fim ao atendimento da EJA, criada e implementada em 1989, no governo de Olívio Dutra.

A experiência me diz que aqui temos (ou tínhamos) uma das raras políticas de EJA tão longevas e com uma qualidade pedagógica emancipadora e que foi fonte de inspiração para tantos militantes e profissionais da EJA e da Educação Popular no RS e no país.


De repente, o sistema de matrículas da SMED sai do ar somente para a EJA e a proposta (indecente) é que as matrículas sejam realizadas apenas no Centro Paulo Freire, localizado em área central da cidade.


Quem conhece a realidade dos(as) educandos (as) sabe que temos que ir "onde o povo está", caso contrário, a demanda não brotará na nossa frente!


O que está por traz dessa arbitrariedade, bem sabemos: Excluir os estudantes, evitar novas matrículas e, pior, culpá-los pelo fechamento da oferta de EJA nas 33 escolas municipais.


Atualmente, são mais de 7 mil estudantes e 366 educadores (as), sendo que mais de 300 mil pessoas acima de 15 anos não têm o ensino fundamental. Portanto, não admitiremos que recorram ao discurso comum - não tem demanda.


Semana que vem as aulas serão retomadas. Por isso, deliberamos em construir uma agenda de mobilização popular que constranja os gestores e traga visibilidade à EJA enquanto possibilidade de escolarização e de emancipação das classes populares.


Estamos buscando o teu apoio e/ou da tua organização ou instituição.


Peço que envies, o mais breve possível, uma manifestação em apoio à luta pela garantia da oferta da EJA em Porto Alegre.


Sigamos!


Obrigada

Liana Borges
Professora aposentada da Rede de POA, coordenou o SEJA e o MOVA em Porto Alegre, de 1989 a 1998, e no RS de 1999 a 2002. Membro da CNAEJA pelo Mova-Brasil.

Criamos o FEEJARS em 1996 e desde então estive presente na coordenação, mas no momento licenciada.

lianaborgeseja@gmai.com 




ONLINE
17