13º virou “loteria”

13º virou “loteria”

Após terceiro parcelamento seguido, Fessergs adverte que 13º do funcionalismo virou “loteria”

Nessa manhã, secretário da Fazenda, Giovani Feltes, garantiu que pagamento das parcelas atrasadas do benefício vai ser feito em dia

O presidente da Federação Sindical dos Servidores Públicos do Rio Grande do Sul (Fessergs) afirmou, hoje, que a confirmação do terceiro parcelamento de salário consecutivo serve como um alerta de preocupação para um futuro próximo. Sérgio Arnoud explicou que o temor dos servidores, com data marcada, é o de que o governo de José Ivo Sartori não pague as parcelas do empréstimo do 13º salário de 2015.

“Primeiro, é importante esclarecer que o parcelamento nos salários vai atingir metade do funcionalismo público. Nossas contas estão atrasadas e, inclusive, temos que pagar juros ao Banrisul. Agora o que mais nos preocupa é a sinalização desse novo parcelamento, indicando que o pagamento do empréstimo do 13º virou loteria. O banco do Estado vai vir nos cobrar as parcelas que o governo se comprometeu em arcar”, lamentou.

Assim como outras entidades dos servidores do Executivo, a Fessergs, adiantou que já prepara uma ação para tentar bloquear judicialmente os recursos necessários dos cofres públicos a fim da garantir o pagamento das parcelas de empréstimos pessoais, feitos pelos trabalhadores para ter direito ao 13º.

Nessa manhã, o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, garantiu que o pagamento das parcelas atrasadas do 13º vai ser feito em dia, a partir de junho, com juros e correção monetária.

Parcelamento

Hoje, o governo estadual confirmou o parcelamento dos salários dos servidores públicos do Executivo referentes ao mês de abril. Em entrevista coletiva, o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, informou que, nesta sexta, vai ser paga a primeira parcela, no valor de R$ 2 mil, em três depósitos durante o dia. Na primeira faixa, os servidores receberão R$ 1,5 mil, pela manhã.

Fonte:Voltaire Porto/Rádio Guaíba




ONLINE
7