Um país melhor

Um país melhor

Luiz Gonzaga Bertelli

Com a quantidade de informações e a facilidade de acessá-las, os jovens de hoje amadurecem mais cedo e tornam-se adultos mais rápido do que antigamente. Aos 16 anos já podem votar e escolher seus mandatários; aos 17 anos têm de conviver com a escolha da carreira e, aos 21, já podem estar com um diploma universitário nas mãos, disputando uma vaga no acirrado mercado de trabalho globalizado.

Até mesmo para quem quer se especializar no mercado internacional, os caminhos estão mais brandos. O governo incentiva a ida dos brasileiros com programas como o Ciência Sem Fronteiras, os pacotes de intercâmbio trazem ofertas excepcionais e as escolas de inglês proporcionam um bom aprendizado da língua estrangeira.

Existe, porém, muita desconfiança em relação ao potencial da nossa juventude. A baixa qualidade do ensino público, a falta de perspectivas em áreas de vulnerabilidade social das grandes cidades - que forma a conhecida geração "nem-nem (nem trabalha nem estuda) - e o crescimento da violência atrapalham, sobremaneira, o desenvolvimento de boa parte dessa parcela da população.

Mas a notícias positiva é que, por mais dificultosos que sejam os caminhos, existe muita gente com perspectiva de vencer na vida de forma ética, buscando o aperfeiçoamento profissional e acreditando que a capacitação seja o melhor caminho para encontrar um bom emprego e a carreira de sucesso no futuro.

Isso foi comprovado durante o fim de semana passado, quando 65 mil jovens participaram da 16a Feira do Estudante - Expo Ciee 2013, no Parque do Ibirapuera. Enquanto a cidade mergulhava no megaevento Virada Cultural, com shows e espetáculos espalhados pela capital, muitas garotas e rapazes preferiram utilizar o tempo livre para buscar informações sobre carreira, mercado de trabalho e para se atualizar nas novidades de cursos. Também aproveitaram a ocasião para procurar estágio, aprendizagem e ouvir especialistas sobre os assuntos importantes para a juventude.

Ver o interesse dos estudantes, suas preocupações quanto à formação, quanto à carreira e a busca pelo sucesso profissional só nos faz crer que o futuro do Brasil está mais do que garantido.

Ponto de Vista de Luiz Gonzaga Bertelli é presidente-executivo do Centro de Integração Empresa-Escola -CIEE, da Academia Paulista de História - APH e Diretora da FIESP, publicação de domingo (26/5), no jornal Diário de São Paulo.
SECOM/CPP





ONLINE
12