Antíteses da inovação

Antíteses da inovação

Governos e escolas são antíteses da inovação

Alexandre Sayad 

 

Tente imaginar as instituições que mais resistiram às inovações processuais, tecnológicas e até lógicas dos últimos vinte anos, não só no Brasil. Não é difícil chegar a três deles: igreja, governos e escolas.  Durante anos, estruturar uma maneira com que a educação pública se transforme para acompanhar a evolução da sociedade tornou-se uma quebra-cabeças complexo por justamente ter que lidar com duas dessas áreas mais conservadoras da sociedade.

Cinco experiências que transformaram as salas de aula nos Estados Unidos

Poli anuncia laboratório de inovação e empreendedorismo

O terceiro setor viveu recentemente um período de difamação midiática e esquartejamento público como se somente as ONGs fossem alvos de corrupção passiva no país; mas foram justamente elas o importante lastro de inovação no campo da educação no Brasil nos anos 90 e 2000.

Isso ficou mais claro durante o evento Transformar, que ocorreu na semana passada em São Paulo.  Esse foi talvez o mais importante encontro de Educação ocorrido no Brasil nos últimos cinco anos, porque levou o tema da inovação despudoradamente próximo ao campo conservador da educação. Experiências norte-americanas, ainda que pontuais, mostraram como algumas escolas “charters”, e outras públicas, vem reinventando espaços e processos com uma mão forte da tecnologia como catalisadora – e não estrela principal – da transformação.

A High Tech High, por exemplo, destacou a customização e personalização do ensino e a importância em se trabalhar por projetos. Assim, aproximou a figura do professor da de um “designer”.  A fala da diretora Melissa Agudelo, valorizando uma escola próxima à vida do aluno, me fez mergulhar no tempo, no fim dos anos 90, nas experiências iniciais de ONGs como a Cidade Escola Aprendiz, Gol de Letra, Casa do Zezinho e algumas outras redes aceleradoras de experiências como o Instituto Ayrton Senna.

Na Cidade Escola Aprendiz, da qual fui um dos fundadores, havia um núcleo que se chamava Design Social, justamente com as mesmas preocupações de aproximar o fazer educativo de “projetos”. Mas sem nostalgia, tentando avaliar o que ficou,  as experiências inovadoras que sobreviveram e deixaram o campo laboratorial para ganhar alguma escala foram aquelas que se aproximaram do poder público mais recentemente.

Ora, que contradição! Governos são antíteses de inovação. Sim, esse é quase um pacto com o próprio diabo. E só tem chance de sobreviverem as experiências baratas, simples e flexíveis. Foi assim com o bairro-escola, da Cidade Escola Aprendiz. Decerto, muito da inovação se esvai nesse processo, mas a experiência pontual ganha oxigenação e novos espaços.

Para o poder público, abrir essa porta para a inovação é quase uma concessão; mas deveria ser regra. Voltando ao evento, a reflexão mais importante do Transformar veio do próprio anfitrião da Fundação Lemann, Denis Mizne: “governos tem que dar autonomia às pontas, às escolas, para que a inovação surja”. Talvez seja essa a única possibilidade de coexistência entre máquina pública e criação: a descentralização e autonomia de gestão.

Mas onde mora a inovação educativa hoje no Brasil? Difícil responder. As “startups” coordenadas por jovens empreendedores têm se mostrado fetichistas com a tecnologia e pouco preocupadas com o que a educação foi, é e deverá ser de fato.  Mesmo assim, olhando a cena educativa como um todo, não dá saudade nenhuma dos anos noventa. Caminhamos muito ao abrir os ouvidos para que a escola não se mantenha como a mesma do século 19.

 
 
 




ONLINE
9